sexta-feira, 14 de setembro de 2018

Setembro Amarelo: Suicídio

Olá amores!

Hoje o papo é sério e espero que, para muitos, seja relevante. Sei que muitas visualizações serão apenas para fofoca, mas eu decidi que não vou me incomodar com isso. Não hoje. Não agora. Não quando eu posso fazer a diferença na vida de alguém. Então vamos falar um pouco sobre a temática do mês: o suicídio.  


Tomei a decisão de me expor, não para gerar pena ou desabafar. Decidi porque você aí do outro lado pode estar passando por uma situação parecida e estar perdido (como um dia eu fiquei) é normal. Se você não sabe, meu pai morreu há alguns anos. E por muito tempo eu não falava o verdadeiro motivo para não ter que me explicar ou até mesmo por vergonha, não vou mentir (mesmo as pessoas comentando por trás, já que foi o que mais aconteceu, enfim... vamos voltar ao que interessa). Meu pai teve depressão. Uma depressão tão forte que em menos de 6 meses, ele cometeu o suicídio. Se eu sabia que ele tinha problemas? Sim, sabia. Se ele fazia acompanhamento com psicólogo? Sim, fazia. Mas ele não acreditava estar doente, porque não tinha nenhum sintoma físico, o que provavelmente o fez não seguir as recomendações médicas. Mas... E eu? O que eu podia fazer? Eu podia ter ajudado?

Na época, eu não tinha informação, não sabia como agir. Fiz aquilo que achava certo, tentei ao máximo mostrar meu amor incondicional, aquele amor cheio de admiração e orgulho, porém eu também estava me despedaçando e não conseguia aceitar que o meu pai, o meu porto seguro, estava fragilizado. Eu duvidava do seu amor por mim e até mesmo sobre quem eu era! Incrível dizer, mas era isso mesmo. Ele se depreciava e me depreciava por consequência. Eu vivi os piores momentos da minha vida em cada crise dele. Eu vi e ouvi coisas que as pessoas jamais deveriam. E me dói muito dizer que apenas depois da sua partida eu tenha entendido o que a depressão faz com as pessoas. 

Não era ele. Era a doença. Só que infelizmente, eu não consegui ajudar mais. Minha família mesmo não ajudou mais, porque também não sabia com o que estava lidando. A pedido do meu próprio pai, tudo era escondido, tudo era segredo. Sentíamos que estávamos no meio de um furacão, sem direção, sem certo ou errado. Em um momento a pessoa sorria e brincava, no outro se fechava e afastava tudo e todos, como isso poderia ser depressão? Eu não sabia que existiam altos e baixos, eu não sabia mais o que fazer para ajudar! Que Deus e meu pai me perdoem. Eu errei, pensei o pior ao invés de tentar ser mais presente. Se eu acho que isso mudaria algo? Às vezes sim, às vezes não, nunca saberemos o que poderia ter acontecido, só me apego ao diagnóstico do psicólogo para entender todo aquele turbilhão se sentimentos e decisões.


Antes, eu era uma adolescente despreocupada, eu só estudava, tinha um namorado e amigos na fase de sertanejos noturnos... NUNCA pensei que algo assim fosse acontecer comigo. Só que aconteceu e tudo mudou. Hoje, quero ajudar você que talvez esteja passando por uma situação igual a minha. Sei, melhor do que ninguém, que você aí também precisa de força, afinal, é muita responsabilidade e não precisamos lidar com tudo sozinhos.

Ter alguém próximo com depressão é complicado, porque muitas vezes ele não terá a consciência para ver que você permanece ali, firme ao seu lado. Então, infelizmente, você vai ouvir coisas que machucam. Você vai sofrer. Você vai ficar irritado. Você vai querer jogar a toalha para o alto. Isso é normal. O que faz a diferença é você ficar. É se manter presente e sua recompensa será o amor e mais momentos valiosos ao lado de alguém que poderia nem estar vivo. Um segundo faz a diferença e vale taaaanto a pena... Trocaria tudo por um único momento com meu pai novamente.


Para o outro, está difícil acordar de manhã e muitas vezes, uma mensagem de bom dia pode sim ajudar. Mostre que se importa. Demonstre. Pare de colocar a culpa na correria do dia a dia. Ligue. Abrace. Diga “eu te amo”. Seja o tipo de pessoa que você quer ter por perto. Entenda que esse mundo não existe competição de quem sofre mais ou de quem está mais “ferrado”. Valorize. Ajude. Estenda a mão ao outro sem segundas intenções.

É importante conscientizar as pessoas para elas pedirem ajuda? Sim. É sim. Mas é imprescindível conscientizar o outro que ele precisa ajudar

Estou postando isso hoje, não apenas pelo setembro amarelo. Mas também porque seria aniversário do meu pai. Dia 14 de setembro. E acho que ele ficaria orgulhoso de ver quem eu me tornei. Alguém que aprendeu a olhar para o lado e reconhecer que ninguém vive sozinho. 


Pai, eu quero fazer a diferença nesse mundo. Eu quero que sua história seja um exemplo de amor e não de tristeza ou rancor. Feliz Aniversário. ❤️ 


P.S.: E se você está passando por um momento triste, de desespero, de angústia... Não é um clichê dizer que você não está sozinho. Você realmente tem com quem contar só não consegue ver isso com clareza no momento. Lembre-se de uma frase que meu pai falava para mim: “tudo acaba bem, se não está bem é porque ainda não acabou”. Vamos à luta! A vida é bonita demais para você se deixar levar pela escuridão. Você REALMENTE não está sozinho. 

Número de auxílio a depressão: 188. A ligação é gratuita.



- Alessandra Salvia

26 comentários:

  1. Amiga, amiga 💕
    Que orgulho de você, seu texto vai ajudar muitas pessoas e é importante falar sobre sim... A gente nunca sabe quando um clique vai mudar nossa forma de pensar e espero que possa ajudar muita gente que também passa pela mesma situação infelizmente ..
    Me emocionei, porque realmente a depressão nunca é tratada, pelo menos num geral, como algo grave, mas nao é ela que faz sofrer calado e tanta gente ir embora? É forte, é pesado e é necessário mostrar que existe uma luz no fim do túnel sim 😍
    De onde ele estiver e vendo esse texto, tenho certeza que ele olha por você 💕

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É a pâm rs saiu como desconhecido 🙄

      Excluir
    2. Seu apoio é imprescindível para mim. Obrigada por tudo, Pam! ❤️

      Excluir
  2. Chorei com seu post. Eu sinto muito pelo seu pai.

    ResponderExcluir
  3. Oi Alê,não sabia o motivo da partida do seu pai. Sinto muito pela sua perda, porque sei como ele é importante pra você. E é exatamente como você disse:ele não era a doença. Ele é a pai que te ama e você sempre teve por perto e que entre as crises voltava pra você.
    Você é uma pessoa maravilhosa a quem admiro a cada dia mais! Conte sempre comigo. ❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Roze! Não me canso de dizer que você é uma querida. ♥

      Excluir
  4. Oi, Ale!

    Me arrepiei aqui lendo o seu texto. Foi linda a mensagem que você passou, de que não precisamos passar por dificuldades sozinhos, e também sinto muito pelo seu pai. Ler sobre o assunto e compreender a gravidade é uma coisa, mas ter um conhecido que de fato vivenciou a depressão em seu nível mais enlouquecedor é outra. O irmão de um amigo meu se suicidou quando ainda era pré-adolescente, e apesar das nossas famílias serem extremamente próximas, eu era criança e com a cabeça muito nova pra entender o que tinha acontecido, mas hoje em dia sempre que pego livros do tema pra ler recordo dele e de como infelizmente não teve a assistência psicológica que poderia tê-lo ajudado. Muito obrigada por compartilhar com a gente a sua história, imagino o quanto deve ter sido difícil, mas sem dúvidas seu texto irá ajudar muitas pessoas <3

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Ale!
    Nossa, eu não podia imaginar isso.. senti a dor ao longo do texto e fico muito triste! Mas você mostrou muita força ao compartilhar isso com a gente e mostrar para outros que podem ter passado ou estão passando por isso é precisam mesmo de ajuda, de alguém com quem contar ou apenas saber como é.. todos precisam se consicentizad e saber que podem se abrir para o que quer que seja! E precisamos todos estar abertos a isso e poder ajudar! Muita força e paz a você e a todos!!
    Beeijo

    Lecaferouge.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Cada dia sinto mais ORGULHO desta minha filha do CORAÇÃO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por sempre estar presente e se preocupar comigo ❤️

      Excluir
  7. Oi, Ale!
    Não sabia o motivo da morte de seu pai e sinto muito por isso. Você e toda sua família devem ter sofrido pra caramba. Mas tenho certeza que ele está muito orgulhoso da pessoa maravilhosa que você se tornou. Creio que sua mãe foi fundamental e acho linda a amizade que vocês têm. Se parecem muito comigo e com minha mãe.
    Já tive casos de depressão na família também e sei que não existe coisa pior que ver quem a gente ama sofrer. Achei o seu post maravilhoso e emocionante. Você é uma grande guerreira, minha amiga! Que Deus sempre te proteja!
    Um beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pelas palavras, Mi. São muito significativas para mim.

      Excluir
  8. Você e sua mãe são admiráveis! Parabéns pela coragem e pela decisão que poderá ajudar muita gente. Você faz a diferença. Amo-te.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que sei quem você é 😍😍😍😍 amo-teeeeee ❤️

      Excluir
  9. Minha querida!
    Que experiência difícil e triste.��
    Sinto muito por vcs .
    Tive o prazer de conhecer seus pais e estar c eles em reuniões de pais e nas festas do CCZ.��
    Jamais imaginaria tal situação numa família tão linda.
    De fato a depressão é cruel !
    Sinta-se abraçada e beijada.
    Mande tb pra sua mãe.��
    Tenho ctz q seu pai tem muito orgulho da filha e mulher maravilhosa q vc se tornou.
    Fique em paz e muita luz pro seu pai!����

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada Vanize. Pode ter sido difícil, mas minha vida foi muito feliz. Tive a melhor infância que alguém pode ter.

      Excluir
  10. Ale Solar,
    Que relato inspirador, poderoso, forte e verdadeiro. Ainda me lembro do dia em que nos conhecemos. Você e sua mãe estavam na Bienal, na fila da Bianca Briones, em uma das primeiras saídas que vocês estavam tendo depois dessa fase desafiadora e difícil. Foi um dia tão incrível aquele para todos nós e a sua emoção naquele dia ainda nos emociona, só de lembrar. Se fazer presente em um momento tão difícil como esse que você relatou é fundamental, pois só a nossa presença, muitas vezes, transforma o dia e os pensamentos daquela pessoa. Nós temos muito orgulho da pessoa que você se tornou e de tudo o que você alcançou. Porque você não viveu tudo isso e só deixou no passado, isso te fez mais forte e ainda mais consciente de como podemos ajudar (e muito) as pessoas que estão passando por momentos difíceis.
    Nunca esqueça que você mora no nosso coração!
    Beijos,
    Bel <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que mensagem linda, cheia de amor e carinho. Senti o abraço de vocês. Obrigada por tudo!

      Excluir
  11. Hey Ale! Tudo bom?
    Caramba, o seu post é de uma importância pra sociedade que talvez vc não tenha noção!
    Sinto muito pelo que aconteceu ao seu pai, mas com certeza a história de vcs dois ajudará muitas pessoas que se depararem com esse post.
    Obrigada pelo comentário lá no blog.
    Volte sempre!

    ~ miiistoquente

    ResponderExcluir
  12. Olá, Ale.
    Sei que não deve ter sido fácil escrever essa postagem, mas ainda bem que o fez porque sei que vai ajudar muitas pessoas, inclusive você mesma. Não quero comparar com o que você passou, mas perdi meu pai com Alzheimer a mais de dois anos e sofri muito com o que acontecia, vendo meu pai definhando e não conseguir fazer nada. E hoje também sinto muita culpa por não ter feito mais. Mas acho que nós fizemos o que era possível no momento e acredito que eles sentiram isso sim. Essa doença é terrível e felizmente agora está sendo tratada com a devida atenção que merece porque antes era chamado de tudo até de frescura. Não te conheço pessoalmente, mas gosto muito de você e sei que seu pai estaria muito feliz em ver a pessoa maravilhosa que a filha dele se tornou. Que o legado dele está em você.

    Prefácio

    ResponderExcluir