segunda-feira, 30 de novembro de 2015

TAG: Top do Falsete

Olá pessoas!

Fui indicada a mais uma TAG, mas dessa vez do Tony do Tony Lucas Blog. É uma TAG super criativa e diferente, vamos as perguntas?


Vale lembrar que tudo se baseia nesse vídeo aqui:


Então vamos lá:

1º - "Vamos mostrar cultura para esse povo?" - Um livro que te mostrou uma cultura que você desconhecia.

Escolhi a série Percy Jackson, porque eu sempre fui apaixonada pela cultura grega, porém, foi com esse livro que eu realmente me aprofundei no assunto, consegui distinguir deuses e suas 'especialidades'.



2º - "Estamos aqui com minha amiga." - Um livro que fale de uma amizade bonita.

Hermione e Harry. Uma das minhas amizades favoritas!


3º - "Top no falsete" - Um livro muito badalado e que tende a agradar quem lê-lo.


Vou roubar a resposta do Tony... Quando vi "Extraordinário" na lista, eu não consegui substituir por outro. É realmente um livro que agrada TODO MUNDO. 



4º - "Faz o gritinho pra nós." - Um livro que fez muito barulho, mas no fim não mostrou tanto.

Não nego que "Lua Nova" não me agradou e ao pensar na saga hoje, é... não é nada surpreendente.

5º - "Agora você." "Eu?" - Dois livros que trazem uma temática semelhante, mas que em sua opinião é melhor trabalhado em outro.

Selecionei 3 livros que contam basicamente a mesma história. 3 garotas normais se tornando realeza. O que eu menos gostei, foi "Simplesmente Ana".


6º - "Parabéns!" - Sabe aquele autor que você tem um carinho especial e que te ajudou de alguma forma? Que tal elogiá-lo pelo grande feito.

Eu já falei diversas vezes como eu amo esse livro e como ele me tocou. Bianca Briones e o eterno favorito: As Batidas Perdidas do Coração.


 E vou indicar algumas pessoas para fazer também... 
E se gostou... faz também!

- Ale

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Texto: E o meu pedido é...

Olá amores!

Como novembro foi meu aniversário, decidi fazer um conto mais descontraído. Minha meta é um texto autoral por mês, então vamos ver se dá certo... Como sempre, quero opiniões sinceras! 


"Quando somos adolescentes, temos uma mania bem desagradável de imaginar o futuro perfeito. Um bom emprego, um relacionamento estável, vida financeira satisfatória... mas quando você se vê na idade adulta, as coisas não são bem assim. 

- Quero isso para segunda de manhã, certo?

E esse é meu chefe me pedindo para vir trabalhar no sábado... que gentileza da parte dele... Quando decidi ser publicitária, pensei que a vida seria uma eterna criação, trabalharia com propagandas e divulgações, nunca imaginei que tivesse que lidar com tantos contratos na vida... mas ok... eu não quero desanimar. Hoje é sexta e vou sair com um grupo de amigos para comemorar meu aniversário! 

Eu sempre amei esta data em especial, você renova energias, dá abraços e ainda por cima percebe quem realmente gosta de você. Nunca fui uma pessoa popular, mas pelo no meu  dia gosto de reunir aqueles que são queridos. 

Já está quase no final do expediente e começo a arrumar minha mesa para ir embora, quando minha colega de trabalho passa por mim sorrindo e diz:

- Você não se importa se eu levar meu irmão no seu aniversário, né?

- Claro que não! Será naquele restaurante aqui perto, que fomos no aniversário do Antônio, sabe?

- Ah, obrigada! Sei sim, só vou esperar ele chegar e já vou para lá.

- Eu vou na frente para não perder a mesa.

- Sim, aniversariante. Está animada?

- Estou sim! Tenho um bom pressentimento quanto a hoje!

-  Humm... quem sabe, não é? Olhe! Meu irmão chegou mais cedo do que o planejado. E eu ainda nem estou pronta para ir... deixa eu correr!

Ela sai apressada para ir falar com o tal irmão 'penetra' que está parado na porta do escritório. Quando eu olho para o rapaz, alguns anos mais velho que eu, ele parece meio bravo. O vejo discutindo com a irmã e antes que eu consiga me esconder atrás da tela do computador, ela acena para eu ir até lá. Com um sorriso meio sem graça, levanto e vou até os dois.

- Oi.

- Aline, esse é meu irmão, Felipe. Felipe, essa é a Aline, a aniversariante e ela mesmo te convidou para ir conosco hoje.

OPA! Que história é essa de eu mesma o ter convidado? Nem o conheço, mas sinto que seria muita falta de educação não confirmar a história, então apenas sorrio e digo:

- Sim, não tem problema, serão poucos amigos, você pode ir.

- Não quero atrapalhar... minha irmã que é sem noção e não me avisou que estaria ocupada hoje.

Percebo que seu humor não está dos melhores, ou se ele for tão sério assim, Deus ajude que ele não estrague minha noite. Ele não tira os olhos da irmã, como se a fuzilasse com o olhar.

- Bom, eu já estou indo para lá... só vou pegar minha bolsa - digo me afastando deles.

- Você não quer ir com ela Felipe? Eu ainda não estou pronta, nos encontramos lá. 

Quando ouço isso, viro a cabeça bruscamente esperando que ele negue e vá embora. Mas para minha surpresa, ele responde:

- Melhor do que ficar aqui te esperando. Vamos... qual é mesmo seu nome?

- Aline. E o seu? - Faço questão de fazer pouco caso, para ele ver que seu mal humor não me atinge. 

- Felipe.

Pego minhas coisas, dou tchau para o escritório que em uníssono me deseja parabéns. Saio dali sorrindo de orelha a orelha, quando percebo que Felipe me encara. Quando estamos na calçada, já há alguns passos do meu trabalho, ele fala em tom baixo:

- Peço desculpas, eu nem te desejei feliz aniversário... É... Parabéns, muitas felicidades, viu?

Aquilo realmente me surpreende. Ele parece... envergonhado? Eu sorrio e agradeço.

- Obrigada! Não precisa ficar constrangido, serão no máximo umas 6 pessoas, não sou muito festeira, mas adoro comemorar meu aniversário.

Sinto que ele começa a relaxar.

- Por isso mesmo eu me sinto intruso hoje. Eu sei que você não me convidou, foi coisa da minha irmã... ela tenta me tirar de casa desde o mês passado quando me separei.

- Você era casado?

- Morava junto a mais ou menos 1 ano, mas não deu certo.

- Sinto muito.

- Não sinta, estava na cara que era burrada, mas mesmo assim eu tentei.

- Pelo menos você não tem aquela sensação de 'e se?' na sua cabeça. Fez aquilo que seu coração mandou.

Ele sorri pela primeira vez. E entramos juntos no restaurante. Pergunto por minha reserva e vejo que somos os primeiros a chegar. Sentamos um de frente para o outro na mesa e ele me pergunta:

- Quer deixar esse lugar para alguém especial? 

- Não, pode se sentar, dá para conversarmos melhor. 

O garçom aparece para nos entregar o cardápio e ambos agradecemos. Levanto o olhar e o pego olhando para mim, não consigo não sorrir com a denúncia de seus pensamentos e sussurro:

- Batata Frita? 

- Com toda a certeza!!!!

Ele gargalha por eu ter conseguido ler sua mente e eu não consigo não me envolver com aquele som. Sim, ele está começando a ficar a vontade comigo e gosto desse 'novo Felipe', talvez possamos realmente ser amigos. Mas meus pensamentos são cortados com um grupo de pessoas cantando parabéns na entrada do restaurante. Ao me virar, vejo a surpresa de meus amigos entrando no local, cantando alto e com um bolo cor de rosa e velinhas no mesmo tom, desejando-me feliz aniversário.

O bolo é colocado bem a minha frente e alguém grita:

- Faça um pedido, Aline!

A última coisa que vejo antes de fechar os olhos e soprar as velinhas são os olhos brilhantes de Felipe na minha frente. Em pensamento digo a Deus: "Acho que o Senhor sabe o que faz com minha vida, não pedirei mais nada, tenho tudo o que preciso" e assopro, começando mais um ano com o pé direito."


- Ale

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

TAG: Blog Amigo Awards 2015

Olá amores!

Hoje a TAG é especial, porque não vamos recomendar apenas livros, mas aqueles blogs que realmente amamos. Tentei pegar os blogs que frequento a mais de 1 ano e que eu realmente me identifico com opiniões. A ideia foi da Raíssa do "O Outro Lado da Raposa" e eu fui indicada pela Carol do "A Colecionadora de Histórias", o que foi a maior felicidade porque eu amo o blog ACDH, sempre divulgo os posts pelo twitter, porque são realmente incríveis. 




Regras:
- O blog que está respondendo a tag escolhe um blog amigo que considerar o melhor em determinada categoria. 
- Os blogs que ganharem as indicações respondem a tag e assim por diante. 
- Se quiserem acrescentar outra categoria fiquem à vontade. Só tentem dar os créditos pela criação quando responderem. :) 
- Vamos limitar o número de indicados para cada categoria a três ok?

Vamos aos meus indicados? E eu já vou começar a roubar, rs. Não vou conseguir dividir por categorias. Eu acho que todos os blogs que eu selecionar vão merecer entrar nessa lista. Então, são os "mais mais" ok?














E esses foram os melhores do ano, na minha humilde opinião. E estou nem aí que eu coloquei a Carol de novo! HAHHAHAHA

Fiquem a vontade para fazerem a TAG!

- Ale

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Resenha: Não Pare!

Olá pessoas!

Chegando ao final do ano, não podia deixar de falar da sensação de 2015, não é mesmo? "Não Pare!" da FML Pepper publicado pela Editora Valentina vem sendo aclamado pelos leitores, muitos já dizem que foi o "Livro do Ano" e não pára de sair resenhas positivas sobre a obra, então venho aqui para mostrar outro lado da trilogia. O lado que, infelizmente, me incomodou um pouco. 


A história é sobre Nina Scott que por causa do emprego de sua mãe, é obrigada a viajar muito, nunca consegue terminar um ano no mesmo lugar. Sendo assim, ela a acompanha por diferentes países, porém em todos os lugares o inesperado sempre surge em sua vida. Diversos acidentes acontecem e ela sobrevive por puro milagre! Sua mãe só fica mais esquisita conforme essas situações ocorrem, até que decide permanecer em Nova York, deixando Nina ter esperança de construir sua vida, uma vida normal... o que ela não esperava era que iria se apaixonar. Mas não por um garoto qualquer e sim pela sua própria morte.

Confuso? Estranho? Foi o que eu pensei quando comecei a ler. Mas o ritmo acelerado me empolgou, li o primeiro livro em pouco tempo e me envolvi bastante. O final realmente foi surpreendente, mas ao chegar ao livro dois, eu comecei a me perder. A escrita corrida e sem enrolação da autora me lembra algumas fanfics que eu já li. É inegável o dom de Pepper de escrever uma história totalmente nova, cheia de aventuras e mistérios, mas eu não consegui manter o ritmo da leitura, comecei a desanimar. Muitos personagens com nomes estranhos me deixam confusa também, rs.



Quando acabei "Não Olhe!" eu já estava totalmente desanimada para ler "Não Fuja!", o último livro da saga. Ainda não sei se vou lê-lo, gosto da inovação do livro, mas ao mesmo tempo não gosto da forma como ele é apresentado aos leitores, não me envolveu. Não sei se o problema foi a escrita da Pepper, vou esperar e ler alguma outra publicação dela para ter a certeza, até porque eu gosto bastante dela. Super alto astral e simpática, já tive contato com ela pelo twitter e ela foi um amor de pessoa. Lembrando que Pepper foi a pioneira em contratos híbridos aqui no Brasil, hein? (Ela tem mais porcentagem sobre as vendas de e-books, além dos 10% sobre os físicos).

Infelizmente, sei que a maioria de vocês vai me xingar após essa resenha, mas não podia deixar de contar como eu me sinto em relação essa trilogia tão amada por muitos. 

Minha Classificação: ♥ ♥ 

E o que vocês acharam?

- Ale

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Resenha: A Cura Mortal

Olá pessoas!

O post de hoje será duplo, primeiro farei a resenha de "A Cura Mortal", o terceiro livro da série Maze Runner de James Dashner e depois abrirei uma discussão com spoilers para aqueles que já leram ou viram os filmes, ok? Mas vou avisar antes, quem não quiser ler, poderá parar antes que seja tarde demais. 

Antes de tudo, é preciso explicar como a saga Maze Runner funciona. São 5 livros até agora e o autor está escrevendo o 6, mas a história não é uma sequência cronológica, portanto, é bem provável que os filmes terminem de ser produzidos neste terceiro volume. A ordem seria assim:


- Maze Runner: Correr ou Morrer (Resenha do livro AQUI! e do filme AQUI!)
- Maze Runner: Prova de Fogo (Resenha do livro AQUI! e do filme AQUI!)
- Maze Runner: A Cura Mortal 
- Maze Runner: Ordem de Extermínio
- Maze Runner: Arquivos

Enquanto os três primeiros livros abordam a história de Thomas, Teresa e os outros clareanos. O quarto livro se passa antes da existência do CRUEL, ou seja, conta a origem da saga Maze Runner. Já o sexto volume que está sendo escrito será essa 'união' entre o quarto livro e o primeiro. Deu para entender? É meio confuso mesmo, mas James Dashner fez tanto sucesso com Maze Runner que decidiu contar o início de tudo como uma continuação. Já o livro "Arquivos" é uma coletânea de documentos confidenciais do CRUEL.

Agora vamos ao que eu achei de "A Cura Mortal": continuei a saga animada, mesmo o filme "Prova de Fogo" tendo acabado diferente do livro 2. Thomas, Newt, Minho e mais alguns clareanos estão contra o CRUEL e a possibilidade da cura para o Fulgor nunca foi tão eminente. No decorrer do livro, confesso que desanimei um pouco com o enredo mais arrastado. Nunca foi segredo que eu não gosto do Thomas e prefiro mil vezes o Newt, então talvez isso seja um dos principais fatores que me desanimaram, a história foca 100% em um personagem sem carisma e que é bem egoísta, para ser sincera. Além do que, tem Brenda do início ao fim e ela me irrita, rs.

Esse livro é marcado por grandes perdas e foi esse o ápice da leitura. Não, não gostei do rumo da saga. Acho que foi um livro que deixou muito a desejar, aconteceu tudo o que eu não queria que acontecesse. Comparado aos anteriores, foi o que menos me agradou, cheio de falhas e pontos em aberto, na minha opinião. 

Sendo assim, quero abrir a discussão sobre o que aconteceu em "Prova de Fogo". Se você ainda não leu ou não viu o filme, pare por aqui, ok? Começa a sessão SPOILERS! 


No decorrer da história, percebemos que os clareanos são parte de uma experiência para a cura do Fulgor. Teresa conta a Thomas o motivo da lembrança "CRUEL é bom", afinal, a raça humana está sendo dizimada por essa terrível doença. A grande questão que quero saber é: Thomas está certo em se preocupar com a sua vida e de seus amigos ou ele deve pensar no bem maior, em salvar a raça humana?

Eu, particularmente, apoio a Teresa. Entendo sua decisão de 'trair' Thomas e tentar curar a doença. É o que geralmente heróis fariam, não é? Ser altruísta. Não vou ser hipócrita e dizer que Thomas está totalmente errado, porque não está. Eu entendo o lado do personagem, ninguém quer morrer e é maldade o que o CRUEL fez/faz, mas se é para salvar a humanidade, não entendo o porquê ele fica tão horrorizado com a atitude de Teresa.

Claro que em "A Cura Mortal" temos uma resolução sobre esse caso, mas dessa vez não vou contar, porque quero realmente saber o que vocês acham com base no que foi visto nos filmes até aqui. Deixe seu comentário!

Minha Classificação: ♥ ♥ ♥

Deixe seu comentário!

- Ale

sábado, 21 de novembro de 2015

Série: Jessica Jones

Olá pessoas!

E é nesse momento, que você leu o nome do post e pensa: "mais séries Ale?" e minha resposta é: "estou de férias do escritório e vou colocar toooodas as minhas séries em dia siiiiim"... Quero dizer, nem todas, né? Eu já acrescentei mais na minha listinha do Banco de Séries, mas é tão maravilhosa a sensação de poder assistir séries depois do almoço... aquela preguicinha boa, me jogo no sofá e passo a tarde toda assistindo... é impossível resistir!


Hoje o post é sobre uma super novidade na Netflix: Jessica Jones! Confesso que assisti os 13 episódios disponíveis em apenas 1 dia, é tão viciante que não podia parar. 

Para quem não conhece ou não gosta de séries, tenho uma palavra para você pensar em assistir Jessica Jones: MARVEL! Sim, há referências bem claras dos Vingadores, do 'gradão verde' e até mesmo sobre o patriota.. ou seja, além de se unir com a série Demolidor (crítica AQUI!) e a ainda não lançada série de Luke Cage (previsão em 2016), podemos ver o universo de Hulk e Capitão América bem perto. 


O ritmo do primeiro episódio é lento, mas nos minutos finais há uma grande reviravolta e é impossível parar por aí. O restante da primeira temporada é extremamente inquietante, quando você acha que as coisas vão se resolver, tudo muda e você fica ansiosa por mais e mais. 

Os pontos altos da série são com toda a certeza seu enredo e personagens. A história é incrivelmente envolvente e Jessica Jones é a primeira heroína que realmente vale a pena, mesmo sendo muitas vezes 'errada' (impulsiva, sem paciência, alcoólatra), nossa protagonista é humana, altruísta e inteligente. Seus traumas psicológicos são explorados de uma maneira diferente do que estamos acostumados, não há vitimismo na personagem, muito pelo contrário, ela luta para ajudar outras pessoas. Ela quer fazer a diferença. Ela é forte e não se rende facilmente. A linguagem usada por Jessica também ajuda muito na construção da personagem, bruta e realista, há uso de palavrões, mas não atrapalham a trama, muito pelo contrário, ajudam a transformar a história em algo direto, sem enrolações. 



E o que é o tal Killgrave? O vilão que tem o poder de influenciar as pessoas é extremamente bem construído, ainda me atrevo a dizer que é um dos melhores vilões que eu já vi. Palmas para o ator David Tennant! Eu não sabia quem era o personagem ou do que ele era capaz, e a cada episódio ele me deixava de boca aberta. O que me leva a ressaltar novamente o enredo e suas reviravoltas maravilhosas. A partir do episódio 6 ou 7 já se torna impossível parar!

Até mesmo os personagens secundários conseguiram chamar atenção e ter seu momento de brilho. Minha única crítica é: se vocês levam facadas, tiros, tesouradas... seja lá qual for a agressão, vão para o hospital e permaneçam internados para ser mais real. Quase ninguém tem um 'verdadeiro' atendimento médico nessa série, rs. 


Ah, e dá para assistir mesmo sem ter visto Demolidor e Vingadores, tá? Luke Cage aparece, mas não te obriga a ver a série dele... apesar de ser meio difícil, ele é um bom personagem e te chama a atenção. 

Me arrisco dizer que foi uma das melhores séries do ano sim. Superou Demolidor lindamente, rs. Netflix está se destacando cada dia mais. Super recomendo a série! 

Me conte o que achou.. ficou empolgado (a)? Deixe seu comentário!

AH, e lembrei agora de que ainda não havia divulgado o facebook do blog por aqui. Então se ainda não me segue, só clicar AQUI! e curtir!

- Ale

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Cinema: A Esperança - O Final

Olá amores!

"A Esperança - O Final" está oficialmente nos cinemas de todo o Brasil! Como estou de férias do trabalho, peguei a primeira sessão disponível (12:00 e eu já estava vendo Katniss apontar as armas para a Capital). E como uma fã bem empolgada, decidi começar a crítica do filme explicando os motivos pelos quais eu amo essa saga (ah, e o mais importante, sem spoilers, se você ainda não assistiu nenhum filme ou não leu nenhum livro, talvez eu possa te convencer a fazê-lo).


Jogos Vorazes não é uma simples história inventada por Suzanne Collins, há todo um enredo que aponta diversas críticas sociais, desde a desigualdade social, ao descaso e controle do governo perante sua população. A alienação do povo através do 'entretenimento' dos Jogos pode muito bem ser vista nos dias de hoje. Além de ser descrito no decorrer dos livros que a política seguida em Panem é a "Panem et Circense", ou seja, a famosa política Pão e Circo.

Outro fato importante que chama a atenção é a presença de uma personalidade feminina forte que precisa ponderar entre a razão e o coração, entre a necessidade de justiça e a segurança daqueles que ama. Katniss é um exemplo claro que precisamos saber lidar com as consequências de nossas escolhas, e nem sempre a melhor decisão pode nos trazer uma recompensa satisfatória.

E com isso o fator humano entra em cena. A protagonista não é 100% boazinha e nem vilã. Katniss não sabe lidar com seus medos, traumas e inseguranças. Em muitos momentos ela perde a paciência, é bruta, mas também sofre com a falta da irmã e quer a presença de Peeta, que sem julgamentos faz seu sono ser mais tranquilo... ela é real. Simples assim. E é exatamente isso que me encanta nessa saga, você vê a fragilidade e força de cada personagem.


Até mesmo o triângulo amoroso foge do óbvio. Enquanto na maioria dos livros, os homens sugam a personalidade da 'mocinha', fazendo o foco ser somente o amor e ponto final, Peeta e Gale sabem que Katniss os ama, mas não tornam isso uma briga de egos, eles sabem quais são as prioridades e focam em vencer a 'ditadura' da Capital. Sim, ela ama os dois, mas de maneiras diferentes, não vou contar a escolha da personagem, mas é descrito nos livros que Gale é o fogo e Peeta é a calmaria. (Sem spoilers, mas eu sou #TeamPeetaAlways)

Vamos para a parte do filme? Vale ressaltar que enquanto muita gente achou desnecessário o filme "A Esperança - Parte 1", eu gostei bastante e achei um grande acréscimo a personalidade abalada de Katniss. O livro 3, chamado "A Esperança" é sim dividido, porém em 3 partes diferentes, sendo elas: "As Cinzas", "O Assalto" e "A Assassina". Claro, a divisão de acontecimentos pode ter sido desigual na versão cinematográfica, mas não que isso tenha me atrapalhado na hora de assistir aos filmes.


SENHORAS E SENHORES, BEM VINDOS AO 76º JOGOS VORAZES!

"A Esperança - O Final" chegou para abalar os corações dos fãs. Enredo rápido, muitas vezes corrido, deixa passar emoções importantes para Katniss. Novamente sinto falta da participação de Sam Caflin como Finnick (o personagem tem uma história tão forte que poderia ser mais aproveitada, além da amizade que ele tem com Katniss, que novamente não foi explorada da maneira correta). Tenho consciência que muitas vezes eu só entendi o que estava acontecendo por ter lido o livro, as coisas passam muito rápido e é preciso prestar atenção em cada diálogo, cada ação dos personagens para não perder nenhum fator importante para o fechamento da história.

A interpretação do elenco está impecável. Jennifer como sempre arrasando e Josh muito centrado no papel de Peeta 'telesequestrado'. Diálogos fiéis aos livros e final arrebatador fecharam a franquia com chave de ouro na minha opinião. Um filme cheio de ação que não dá para ficar entediado. Efeitos muito bons (eu assisti em 3D, mas para ser sincera, não achei tanta necessidade desse recurso, o filme estava envolvente mesmo sem esse efeito) e história surpreendente (sim, deu para tomar alguns sustos, os bestantes e Tigris estavam incríveis!). Além da emoção... eu comecei a chorar logo no início do filme com o Finnick e Anne se casando (isso não é spoiler, está no trailer) e fui até a última cena. Alguém acredita que a segurança do shopping veio perguntar se eu estava bem? Sim, eu sai da sala bem emocionada! HAHAHA


O último filme da franquia trouxe ainda mais críticas sociais: guerra x humanidade. Algo bem presente nessa última semana com os atentados terroristas a Paris, não é? Mas a postura de Katniss nesse filme é o mais importante, pois ela toma consciência do que a revolução realmente significa. 

Ah, e não posso esquecer de elogiar a forma como os produtores fizeram a despedida de Plutarch Heavensbee, já que o ator Philip Seymour Hoffman morreu no decorrer das filmagens e ainda faltavam algumas cenas para gravar. Suas falas foram passadas a Haymitch e sua imagem foi colocada como holograma, mas nada que atrapalhe o filme. 


História muito bem construída e com apelo emocional fortíssimo. Eu gostei MUITO do resultado final. Sim, o livro ainda é melhor, mas é uma das poucas adaptações fiéis e que fizeram jus a obra original.

Agora me diz... o que achou? Animado com esse filme? Me conte nos comentários! Eu não acredito que a Saga acabou! Tomara realmente que façam um filme com os Jogos Vorazes do Haymitch, essa história nos foi apresentada no livro 2, "Em Chamas" e há grande apelo dos fãs para Francis Lawrence (diretor de A Esperança) adaptar mais filmes no universo de Panem.

Minha Classificação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ 

- Ale

P.S.: Grande surpresa para os fãs de Effie e Haymitch nesse filme, hein? 
P.S.2: Nos créditos podemos ouvir Jennifer Lawrence cantando Rue Lullaby... emocionante para lembrarmos de como tudo começou! Assim que eu encontrar essa versão disponível eu coloco aqui para vocês ouvirem.

domingo, 15 de novembro de 2015

Resenha: Em Busca de Cinderela

Olá amores!

Mais uma resenha da série Hopeless da autora Colleen Hoover, porém dessa vez é o livro 2.5 da série, chamado "Em Busca de Cinderela" publicado pela Editora Galera Record aqui no Brasil. Não se preocupem, não vou dar spoilers dos livros "Um Caso Perdido" (volume 1) e "Sem Esperanças" (volume 2), caso queira resenha de ambos, é só clicar AQUI!!

Originalmente, "Em Busca de Cinderela" foi um conto publicado gratuitamente pela autora na internet, porém como a repercussão foi enorme, ganhou sua versão impressa. Logo de início Colleen já conseguiu me emocionar com um agradecimento aos fãs pelo seu sucesso, que na minha opinião, é mais que merecido. Mas vamos falar um pouco sobre o enredo dessa obra:

O livro é narrado por Daniel, o conhecemos como melhor amigo e Holder no livro "Sem Esperanças" e ele é o responsável pela parte cômica da história. Sempre dando apelidos e falando o que vem na cabeça, Daniel pode ser considerado um típico mulherengo do ensino médio.

Mas sua história começa quando ele fica sem aulas no quinto horário, por um erro da administração da escola. Como um grande "esperto" faria, ele se esconde no armário de vassouras para não ser encontrado. Quando um dia, uma garota simplesmente caí em seu colo. Sim, exatamente isso. Uma garota chorando se refugia no armário e o encontra. Como a luz está apagada, Daniel não sabe sua aparência, mas seu cheiro e humor peculiar o deixam totalmente envolvido.

Apelidando a garota de Cinderela, Daniel não consegue esquecê-la, mesmo quando ela diz que vai embora e não voltará mais. Felizmente, o destino reserva uma grande surpresa.


A história é um pouco previsível sim, porém é incrivelmente divertida! E com uma alta carga dramática na parte final da leitura, que me surpreendeu totalmente, fiquei em choque quando li aquela revelação. Juro! A autora tem o dom de me envolver com seus livros, tem uma facilidade para descrever emoções e dar reviravoltas na história que me deixam louca por mais!

Acabo de ler com dor no coração, não queria me despedir desses personagens maravilhosos... Holder, Sky, Daniel, Breckin, Six... acho que até vou sentir saudades da Val... ok, não, dela não. HAHAHAHA

Realmente eu digo: vale a pena! A leitura é leve e fluída, dá para se divertir muito, diversas vezes me peguei rindo no meio do livro. Além de me apaixonar, claro! Posso dizer que meu maior achado no ano foi Colleen Hoover, está se tornando uma das minhas autoras preferidas.

Minha Classificação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

Já leu? Quer ler? Me conta!

- Ale