domingo, 30 de abril de 2017

Série: Girlboss

Olá amores!

Eu costumo vir aqui e elogiar séries, quando eu não gosto de algo, eu simplesmente paro de ver. Afinal, dificilmente minha primeira impressão mudará, porque eu pego antipatia pelos personagens. Pois é. Eu sou dessas. Mas cá estou eu para falar de Girlboss, a minha grande decepção com a Netflix.



É, pessoas... Não é uma grande decepção realmente, eu estou exagerando, afinal, eu não tinha nenhuma expectativa para com a série, porém por ser Netflix eu esperava algo que me viciasse. Deixando claro, não estou aqui para discutir a qualidade da série, porque isso é inegável. Atores bons, fotografia boa, enredo ok... O problema verdadeiro que eu não poderia ignorar se chama Sophia. MEU DEUS, existe protagonista mais irritante?



Acho importante explicar primeiro o que é Girlboss. Tudo começou com o livro, sucesso nas vendas que aborda a trajetória de Sophia Amoruso, a criadora da marca Natsy Gal. Confesso que nunca tive muita vontade de lê-lo já que não é um tema que me agrada, mas pela série achei que devia dar uma chance a história. 

Após alguns episódios sem me envolver com a história fiquei pensando o que me impedia de gostar da série, algo me incomodava e eu sempre preferia fazer outra coisa a sentar e assistir. Foi quando eu parei e refleti sobre qual era a mensagem da série ou o que ela estava agregando a minha vida, até porque, estava na cara que nem uma distração era.



Vejam bem... Em momento algum eu quero fazer um discurso politicamente correto. Não acho que protagonistas precisam ser perfeitas, muito pelo contrário! Não é porque eu estou vendo uma série em que a personagem rouba, que eu vou roubar. Porém, Sophia passa todos os limites aceitáveis por mim e isso me deixa completamente irritada. Não consigo aceitar alguém extremamente sem educação e respeito.

E ainda acho necessário levantar a bandeira de que ela se dá bem no final de tudo isso. Qual a mensagem que temos? É algo que eu aprove? Sinto muito, mas não é. 

Alguns momentos são tão entediantes. Outros são horríveis mesmo. Entendo que a personagem seja caricata, mas para mim, é impossível compreender essas atitudes de Sophia, uma garota extremamente mimada e sem educação. Ah, e folgada que não quer levantar a bundinha da cadeira e ir trabalhar. Meus amores, essa é a vida de adulto, entendam e aceitem! É triste, eu sei, eu faço parte da classe trabalhadora, mas nunca humilhei ninguém só porque estava frustrada.



NADA justifica falta de educação e falta de respeito. NADINHA. Girlboss pode mudar? Pode sim, mas infelizmente, eu não serei aquela que irá acompanhar sua evolução. E ressalto que não é um problema da Netflix ou da atriz, é um problema com a verdadeira Sophia, ela é errada em construir sua marca fazendo as outras pessoas de idiotas e inferiores. 

P.S.: Um recado para a minha querida Netflix: amor, arrasa na season 2 de Sense8 que eu te perdoo.

- Alessandra Salvia

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Words Challenge #3

Olá amores!

Quem está animado para mais "Words Challenge"? Eu e a Pâmela do Interrupted Dreamer já escolhemos as palavras do terceiro desafio e são essas: capítulo três, Verona, bexiga e sundae. Ok... Vai ser difícil romantizar isso, mas vamos ao texto... HAHAHAHA



Words Challenge #3

"Hoje o capítulo três da nossa vida juntos se inicia. 
Penso em enfeitar a casa com bexigas coloridas. Precisamos alegrar o ambiente, afinal, as coisas já não são como eram antes. Tudo parece cinza e sem brilho. Mas para que? Para você reclamar que faria bagunça?

Volto a tomar meu sundae no sofá da sala. Preciso de uma fuga e a comida vem sendo uma ótima aliada. Não sei se caímos na rotina ou se estou fazendo alguma coisa errada. Quanto mais eu tento agradar, mais besteiras faço, mais você se irrita. Então, prefiro ficar quieta no meu canto.

Talvez você não saiba, mas semana passada fingi dormir todos os dias enquanto você chegava depois da meia noite. É... Eu te esperei. Preocupada. O cheiro de suor e álcool indicava que você não estava no escritório. Senti-me tola todas as vezes que você suspirava ao deitar a cabeça no travesseiro ao meu lado.

Agora surgiu essa viagem inesperada a Verona e quer que eu acredite que seu chefe o obrigou a ir. Penso em continuar o jogo. Fingir que somos felizes e que você pode fazer o que quiser, fingir que isso não me afeta. Mas adivinha? Afeta. Magoa.

Cansei de ser aquela que luta sozinha, que busca nos sonhos o dia em que terei coragem de enfrentar sua indiferença. Talvez o problema seja eu mesma, por sempre me entregar demais e querer solucionar problemas que não têm mais respostas.

capítulo três precisa ser diferente, ou então... Não haverá o quatro."


Como sempre, busco opiniões sinceras. Obrigada pela atenção, pessoal.

- Alessandra Salvia

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Lançamentos Editora Arqueiro e Sextante - Maio/2017

Olá amores!


Preparados para mais novidades? A Editora Arqueiro e Sextante já soltaram os próximos lançamentos e eu não poderia deixar de trazer para vocês. afinal, o mês de Maio é especial para mim, pois teremos a segunda parte de "Outlander - A Cruz de Fogo"!!! 





Quando amor por uma série! Outlander é a série de livros mais completas que já li até hoje, caso vocês não tenham lido a resenha de "Outlander - A Cruz de Fogo - Parte 1", vou deixar o link AQUI, já que vocês precisam estar preparados para o que está por vir... Muita ação, emoção e lágrimas, mesmo sem ler, posso apostar que é isso que nos espera. Diana Gabaldon, nunca decepciona.

E aproveitando a oportunidade, vocês viram que já saiu o novo teaser da terceira temporada? A estreia está prevista para os segundo semestre (setembro) e meu Deus, vem muita coisa por aí! Também deixarei minhas resenhas de "O Resgate no Mar - Parte 1" e "O Resgate no Mar - Parte 2" para deixar aquele gostinho de quero mais...


Mas claro que tem vários outros lançamentos super bacanas, como romances de época e a diva Lucinda Riley que já havia me conquistado com "A Garota Italiana", resenha AQUI!



Animados? Os romances já é certeza que eu trago resenha para vocês! Mas me contem, o que vocês mais gostaram do que vem por aí?

- Alessandra Salvia

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Resenha: Devaneios de uma Famosa em Apuros

Olá amores!

“Conheci” a Nohane Carvalho no grupo de Leitores da parceira aqui do blog, Bianca Briones. Sempre muito divertida e espontânea, logo perguntei se ela também era escritora. A partir dali eu soube que precisava ler o “Devaneios de uma Famosa em Apuros” lançado por ela na Amazon. Então, cá estou eu para contar a vocês um pouco dessa experiência.


A história é sobre Helena, uma garota que sonha em ser uma grande cantora. A sua mãe não lida bem com esse objetivo de vida, porém ela conta com a ajuda de Jonas e Mila, os dois melhores amigos que alguém poderia ter. Após um acidente, Lena se vê em uma cama de hospital, uma aliança no dedo e milhões na conta corrente. Ué, o que será que aconteceu? Pois é. Helena DeLaio é famosa e tem amnésia! Como será que tudo aconteceu e as aventuras dessa protagonista divertidíssima, só lendo para saber, rs.

E já adianto, ok? Vale muito a pena! Como eu me diverti... HAHAHA. A escrita da Nohane é simples e objetiva. É fácil ler e isso me impressionou muito, porque venho em uma sequência de leituras onde as palavras precisam ser difíceis, livros com histórias inteligentes ou teorias mirabolantes. Com “Devaneios de uma Famosa em Apuros” senti o oposto, ele te convence com sua simplicidade.  Ah, e tudo é gradual! Eu odeeeeeio quando tudo acontece rápido demais e por mais que logo de início Helena esteja casada, há uma evolução. A cada capítulo senti que subíamos um degrauzinho rumo ao amor.


E por falar em amor... Thor, o meu lindo roqueiro. O que dizer desse personagem que tem o poder de roubar seu coração logo no primeiro capítulo em que aparece? Nada parece fazer jus a ele. NADINHA. Desculpe Nohane, não sei se essa foi sua intenção, mas nem cogitei a possibilidade de Jonas vir a ser meu crush. Thor superou todas as expectativas! Sua simpatia, proteção e carinho para com Helena me conquistaram. Às vezes, dá raiva de ver o tanto de medo que o casal tem em ser feliz, mas isso me leva a falar um pouco sobre a imaturidade da protagonista.

Helena tem 26 anos, porém ela pensa ter 21. Logo de início percebemos alguém aprendendo a viver, com medos e omissões. Um grande exemplo disso é como ela trata a Júlia Tequila quando pega a ligação da mesma. Helena merecia uns tapas para acordar logo, mas não... Tudo tem o seu tempo. O crescimento da personagem foi abordado de uma maneira tão palpável que quando percebemos ela está fazendo exatamente o certo e vou te falar mais: foi uma frase específica que me fez aquele BOOOM e eu descobri que tudo tinha mudado. 



Pense comigo: como você era há cinco anos atrás? Tem a cabeça de hoje? Helena me fez aplaudi-la de pé. Ali eu vi o quanto ela merecia o título protagonista. Ela cresceu, se tornou uma feminista incrível, forte mesmo mostrando as lágrimas, talvez seja por isso mesmo que a considero forte... Helena consegue ser fiel ao que ela é, não tem medo de mostrar o que sente. (Eu não queria dar spoilers, mas caso alguém queira saber sobre a tal frase pode me perguntar depois, porque realmente acho que ela se faz necessária nos livros e na vida).

Droga, estou falando demais, né? Mas eu precisava colocar tudo o que ‘Devaneios’ me trouxe. É aquele tipo de romance que te deixa emocionada e querendo mais. Ele te prende do início ao fim e com isso, preciso colocar o selo de ‘favorito’, porque realmente aquece o coração.

Deixarei o link da Amazon AQUI para vocês irem correndo ler. E claro, deixem nos comentários se gostaram da dica de hoje.

Minha Classificação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ (5/5) – Favorito!

- Alessandra Salvia

domingo, 23 de abril de 2017

Série: Punho de Ferro

Olá amores!

Estou atrasada porque eu sempre priorizo as resenhas aqui no 'Estante', porém eu tinha que trazer minha opinião de 'Punho de Ferro' para vocês. Só vejo críticas negativas e poxa... Foi tão bom que não podemos deixar passar. É, pois é. Eu gostei e sinto que esse post gerará polêmica, rs.


Daniel 'Danny' Rand foi dado como morto quando o avião em que viajava com seus pais caiu. Anos depois, ele volta a civilização não como um simples garoto, graças ao treinamento dos monges, agora ele é o Punho de Ferro, uma força adquirida após muito treino e honra, afinal, sua nova missão é proteger o portal e matar o Tentáculo


O enredo cresce a medida que Danny consegue provar que ele é o famoso/dono das empresas Rand. Os temas abordados são os mesmos que estamos acostumados. A Marvel não inova muito... Drogas, uma sociedade secreta maligna, mortes com muito sangue, lutas coreografadas... O de sempre. Mas algo funcionou melhor, pelo menos para mim. E olha que eu não sou fã dessas lutas todas em filmes/séries de ação, hein?

Depois de uma decepção com Luke Cage, queria aquela dinâmica que Jessica Jones teve. Queria algo que me prendesse. Ver a luta de Danny em uma cidade onde aparentemente todos são egoístas e mentirosos me fez ficar interessada. A presença de Gao, a senhorinha japonesa que apareceu em Demolidor fez a outra parte. Consegui (finalmente) conectar os pontos! E sozinha!!! \o/

Confesso que o Danny me deixou nervosa, rs. Ele é muito inocente, diversas vezes dava vontade de pegar ele pelos ombros e dar uma sacudida. Entendo que ele vê o melhor nas pessoas, mas não é motivo para ser burro, certo?


Já ouvi muitas pessoas dizendo que só quem não é fã dos quadrinhos vai gostar da série. E é aqui que eu vou fazer um grande parenteses, porque isso me irrita. Pessoal, eu sou leitora, sei como é decepcionante ver uma adaptação falha, porém de uns tempos para cá estou começando a encarar os projetos como independentes. Sabe o porquê? Porque é chato! 'Punho de Ferro' não é ruim, só é diferente dos quadrinhos. Entendam isso e superem. Obrigada!

Talvez tenhamos um problema de atores? É, talvez. Mas acho que papel de Danny exigia um ator sem sal, até porque ele precisa se manter centrado e com cara de paisagem o tempo todo. Com isso, ele deu uma abertura para o crescimento de Colleen Wing, a minha favorita. Ela me surpreendeu em todos os sentidos e isso me deixou: como assim??? Muuuuito legal!


Ah, e temos a presença da Clare também, a enfermeira que faz ligação com as outras séries da parceria Marvel/Netflix.

Ao todo, temos uma primeira temporada com 13 episódios. Início lento que após encontrar um ritmo se torna satisfatória. Já foi confirmado a presença de Danny na série 'Defensores' em agosto/2017 e a ponta solta deixada na season 1 de 'Punho de Ferro' não vai se resolver ainda. Ou seja, há grandes chances de ser renovada. Minha aposta para a season 2 seria uma Joy vilã. Eu iria adorar! Mas lembre-se isso não é spoiler é apenas um chute, rs.

E você? Já maratonou 'Punho de Ferro'? O que achou? Deixe um comentário!

- Alessandra Salvia

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Resenha: O Mais Desejado dos Highlanders

Olá amores!

Já coloquei "The Skye Boat Song" para tocar... Vamos entrar no clima escocês? "O Mais Desejado dos Highlanders" da Maya Banks e publicado pela Universo dos Livros deveria ter outro nome, afinal, esse é mais que um romance, é um livro sobre a cultura e os costumes dos escoceses antigamente.


Como é o segundo livro da série 'Montgomery e Armstrong' e seus acontecimentos estão intimamente ligados aos fatos ocorridos no livro anterior, aconselho a você ler primeiro o "Seduzida Por Um Guerreiro Escocês" que já foi resenhado aqui no 'Estante', ok? Só clicar AQUI! para ler a resenha. Porém, já adianto que fico extremamente feliz quando pego um livro e aprendo algo com ele. No caso deste, já começo dizendo que a luta entre clãs e a hierarquia são assuntos discutidos fortemente. A questão da honra e da fidelidade àquela determinada família existem e precisamos entender como os highlanders vivem para compreender os motivos pelos quais esse livro tem essa grande temática central de vingança/justiça.

Nosso enredo se passa logo após o final do livro 1, "Seduzida Por Um Guerreiro Escocês" em que Eveline é sequestrada por Ian McHugh. Vocês se lembram da moça que ajuda Graeme a encontrar a esposa? Pois bem, essa era a Genevieve McInss, nossa protagonista atual. Ela possui uma cicatriz no rosto como forma de marcação por Ian, mas ela está longe de ser a coitadinha da história. Genevieve é uma das protagonistas mais fortes que eu 'conheci', digo isso fisicamente e emocionalmente.


Agora com o clã McHugh derrubado, Graeme pede para seu irmão Bowen Montgomery tomar conta do castelo, afinal, na ausência de líderes, a propriedade pode ser invadida. Sendo assim, Bowen se aproxima de Genevieve e descobre toda a verdade sobre o sequestro de Eveline.

A leitura é extremamente rápida, com muita ação e revelações, a história se torna ágil e rica. Os personagens são ousados e determinados. Genevieve e seu arco e flecha, principalmente. Acho incrível que em um momento ela implora para ser salva, mas quando  o perigo realmente chega, vemos a força de protagonista surgir. 

Com esse livro, tive a certeza que os enredos da Maya não precisam da presença de um vilão constante. Ele existe, mas sua participação é rápida, não há enrolação em momento algum! Ele vem, impacta a história e pronto. Talvez seja o jeito escocês de resolver o problema? Talvez, mas o livro se sustenta sozinho com a complexidade de seus personagens. E claro... Não faltará romance, te asseguro!!!! <3 <3 <3 


Fiquei realmente apaixonada e super recomendo essa série para vocês! Não vejo a hora de ter "Highlander para Sempre" em mãos!

Minha Classificação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ (5/5) - Favorito!

- Alessandra Salvia

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Marcadores Literários

Olá amores!

E hoje é um dia tão feliz! Vocês já conhecem a minha amiga Bel do blog Livros e Andanças? Ainda não? Mas devem conhecer os lindos Marcadores Literários no Instagram? Não? Como assim??? Bom, eu cheguei para a alegria de todos e vocês conhecerão o trabalho maravilhoso dessa moça solar de Fortaleza!



A Isabel Macêdo faz e vende essas lindezas, ou seja, caso alguém fique interessado, vou deixar os contatos dela no final do post. Posso assegurar que é de qualidade e tudo feito com o maior capricho e cuidado. Eu mesma tenho vários!!! Como é artesanal, tudo é personalizado, é mais especial e cheio de amor.







O que acharam? Aqui os links para falar diretamente com a Bel, ela manda por correios também, entrega em todo o Brasil, viu? Os meus chegaram em perfeito estado aqui em SP!

Instagram: Marcadores Literários (pedidos por Direct)

MUITO AMOR! ♥

- Alessandra Salvia

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Resenha: Conto de Dragões

Olá amores!

Lembram-se que eu ganhei "Conto de Dragões" no evento "Mulheres da Literatura"? A autora Fabi Zambelli é um amor de pessoa e foi publicada na Bienal de 2016 pela Editora Novo Século, com o selo Talentos da Literatura Brasileira. Ou seja, chegou o momento de vocês descobrirem o que achei dessa obra, vamos lá?


A história é sobre Mariane, uma garota aparentemente normal de 20 anos que frequenta a PUC de Campinas (pontos positivos por ser aqui no Brasil, Mari é de Jundiaí ♥) que começa a ter sonhos com dragões e um mundo fantástico. O que ela menos esperava, era que a presença de Andrey tornaria todos os sonhos uma realidade. Com uma ameça de serem exterminados, os humanos se unem aos dragões e a aventura começa!

Que eu amo dragões não é segredo, certo? O livro é recheado de ação e fantasia. Há um toque de romance, mas outros temas surgem também como famíliaamizade. O que me leva a dizer que há uma grande amplitude quanto aos personagens, o que possibilita agilidade no enredo. Tudo acontece rápido, os Giantz são vilões fortes e não existe enrolação.


Com 411 páginas e uma letra menor que o normal, percebemos o quanto a autora tem para nos contar. Particularmente, eu gosto mais de histórias em primeira pessoa, porém em "Conto de Dragões" fez sentido o uso da terceira pessoa na narrativa. O fato da autora abordar vários pontos de vista diferentes tornam a história completa. O mundo mágico criado por Fabi tem embasamento, sabe? Ela se preocupou em deixar tudo fechadinho.

A personagem que mais gostei foi a Mari, achei a garota natural e forte. E ela gosta de ler, como não se identificar? O Andrey é aquele garoto que de início achei meio stalker, confesso! Mas soube conquistar nossos corações. As cenas dele e de Mari são puro amorzinho e olha que ainda tem o Matheus nessa história para ser um crush super fofinho.


Ah, podem comemorar: é um livro único!!! Fabi, palmas para você! O final me agradou bastante, a forma como tudo finaliza, o fato de que nada será como antes é ótimo. Há a consciência em todos os personagens sobre a evolução de cada um e não tem como fingir que dá para voltar ao normal. Só o tempo dirá como as coisas seguem, certo Dona Fabiane Zambelli??? <3

Amei muito, os nossos nacionais estão dando tanto orgulho. Super recomendo a obra. Corram para adquirir o exemplar de vocês e deixem nos comentários o que acharam da dica de hoje.

Minha Classificação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ (5/5)

- Alessandra Salvia

domingo, 16 de abril de 2017

Série: 13 Reasons Why

Olá amores!

E novamente, eu não ia trazer essa crítica para vocês, afinal, toooodo mundo só sabe falar de "13 Reasons Why" ou como chamamos aqui no Brasil, "Os 13 Porquês", porém, sendo eu uma pessoa que teve um suicídio na família, senti que precisava expor tudo o que a série me trouxe. E quem sabe ajudar mais um pouco quem ainda se sente sozinho e acredita que a saída mais rápida é a morte.


Especificamente na série, conhecemos os 13 motivos que fizeram Hannah tirar a própria vida. Como forma de 'legado', conscientização ou até mesmo desabafo, a garota deixa 13 fitas gravadas e numeradas para serem entregues a uma lista de pessoas que tornaram sua vida um inferno. Assim, quando o pessoa/motivo número 1 escutava todas as fitas, passa para a pessoa/motivo número 2 e assim por diante.


Clay é um garoto doce que amava Hannah. Seu nome surgir como um dos motivos se torna um grande mistério, até porque conforme as fitas avançam, as temáticas ficam mais fortes e impactantes. Confesso que o quando li o livro, não sei se foi um problema com a escrita do autor, mas isso não funcionou para mim. Eu achava "Por Lugares Incríveis" mais 'real', era algo que conversava com meu coração. Porém, veio a Netflix na minha vida e vocês provavelmente já sabem o que eu vou dizer.

Essa adaptação de "13 Reasons Why" foi tão intensa que em determinados episódios eu não conseguia parar de chorar (e foi bem mais de um, quase em todos caíram lágrimas!). Foi real sim! Eu duvido que você não se identificou, ora com Hannah, ora com um dos motivos. A frase já virou clichê, mas eu preciso dizer: TODOS já foram o motivo de alguém e várias pessoas já foram um motivo para você. Não é algo que me deixe orgulhosa, é um alerta para o mundo acordar e ver que existe muita coisa errada e precisamos mudar o futuro.

Acho importante dizer uma coisa para você que disse que série romantiza o suicídio ou caso não tenha gostado de alguma parte. A dor existe e ela não é uma competição. Para de se achar superior, porque você realmente não sabe o que o outro passa. É extremamente errado você pensar que seu problema é maior que o do outro, é egoísta e pouco inteligente. Cada um sente o que sente, pronto. Nosso trabalho é ajudar, é tentar facilitar a vida do próximo, porque ninguém é melhor do que ninguém.


Hannah nos traz temáticas tão atuais que fiquei impressionada... Isso poderia ter acontecido comigo, ou talvez com algumas pessoas que eu conheço. E será que não aconteceu? Como eu posso ter certeza? Assédio físico e moral, estupro, machismo, bullying... Deeeeeus! É o mundo em que vivemos! Diversas vezes, eu via o Clay nos corredores da Escola Liberty e lembrava da minha época de escola e até mesmo faculdade. (Nota da blogueira: queridos, a vida não melhora na universidade, precisamos aprender a amar nós mesmos e a lidar com qualquer tipo de opressão/violência).

Outro ponto positivo da série é o fato dela abordar quais são as consequências do suicídio. Por exemplo... Ok, você se mata, mas e depois? Será que se a Hannah visse o estado de seus pais e de Clay, ela iria ter essa atitude? Tudo na vida tem dois lados. Entendo completamente que Hannah estava absorta da dor e na depressão. Porém é válido mostrarmos aos que sofrem na vida real que eles não estão sozinhos, mesmo que pareça isso. Não se deve ter vergonha ou medo de pedir ajuda, você pode descobrir um mundo totalmente novo e feliz ao dizer: eu preciso de ajuda.


Porém, voltando a série... Katherine Langford virei sua fã. Acho que nenhuma atriz me fez chorar tantas vezes em uma sequência absurda, viu? Você é incrível! Foi o brilhantismo da atriz que me fez abraçar a causa da série e entrar de cabeça. Mas devo ressaltar, eu não conseguia maratonar. É forte, meus amores! Não achem que é uma série bobinha de adolescente sobre bullying, ok? É pesado e a Netflix (geralmente) avisa quando se torna pior.

A trilha sonora também é magnífica, traz um toque especial. A produtora Selena Gomez fez sua estreia da melhor maneira possível, uma obra de qualidade, impactante tanto pessoalmente quanto socialmente. Como dizem, eu acredito que seja uma das séries da Netflix mais importantes até hoje.


E aproveitando a oportunidade, vou dar minha opinião sobre uma possível segunda temporada. Eu não achava necessário (e continuo não achando, porque não consigo imaginar a série sem Hannah), porém eu entendo o motivo se a season 2 acontecer. Há pontos em aberto e possíveis sequências.

Uau, eu acho que falei demais hoje, rs. Eu precisava expor isso, acho que faz parte do meu 'trabalho' como blogueira, certo? Se eu puder trazer uma mensagem positiva ou para vocês refletirem, cá estou. Se vocês já viram, ou querem ver... Deixe nos comentários, vamos tornar esse post uma grande força para àqueles que precisam. Ah, e compartilhem com aqueles que precisam saber: vocês não estão sozinhos!

- Alessandra Salvia

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Words Challenge #2

Olá amores!

O sucesso do primeira desafio me empolgou ainda mais, sendo assim, eu e a Pâmela do Interrupted Dreamer decidimos fazer o "Words Challenge" quinzenalmente. Sendo assim, as palavras que precisão aparecer no texto são: biscoito, geladeira, paz, amizade e humor. E esse é o meu texto...


Words Challenge #2

Acordo com um sobressalto. Foi um sonho. Apenas um sonho. Tento controlar meu coração. Fixo os olhos na parede azul em minha frente. Dizem que azul acalma e traz paz. É o que mais eu preciso no momento.

Pego o celular na cabeceira e não são nem duas horas da manhã. O que será que está acontecendo comigo? Há dias não durmo uma noite inteira sem pesadelos. Deve ser ele. Droga. Não vou conseguir relaxar novamente.

Decido descer e tomar um copo de leite com biscoitos. Só biscoitos melhorariam meu humor nesse momento. Tento me concentrar para lembrar o sonho... Estava chovendo e escuro. Muito escuro. Eu chamava por ele, mas estava sozinha. Meu coração aperta. Por que ele fez isso comigo?

Em nossa última conversa, ouvi de sua própria boca que ele buscava a felicidade. Algo impossível com alguém tão controladora ao seu lado. Será que eu sou tão má assim? Sempre pensei que almejar coisas na vida fosse algo positivo, a falta de objetivos sempre me deixou insatisfeita. Ah, claro. Não para ele. Ele era o filhinho da mamãe e eu deveria falar ‘amém’ para tudo o que ele dissesse.

Abro a porta da geladeira e fico parada pensando: o que meu pai diria se me visse aqui, em plena madrugada, sofrendo por alguém que não me merece? As coisas precisam mudar. Uma pena que a amizade precise morrer junto com o amor, porém a vida é feita de escolhas e ele fez as deles. Chegou o momento de eu fazer as minhas. E sem olhar para trás.


E o que acharam? Obrigada de coração pela belíssima recepção aos meus textos!

- Alessandra Salvia

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Resenha: Não É Mais Verão

Olá amores!

Como estão? Hoje, eu trago uma super novidade: o 'Estante da Ale' conseguiu parceria com a Leila Rego, autora de diversos títulos que é possível encontrar aqui no blog, caso queiram ler, temos resenha de "As Fases da Lua" e "A Segunda Vez Que Te Amei", porém, agora vou trazer para vocês o lançamento da Leila, o conto "Não é mais Verão", publicado pela Amazon.



A história é sobre Melissa e como ela se tornou quem é hoje. Eu não quero dar spoilers, porque um conto já é bem enxuto, mas o enredo é como a garota descobre o amor ainda na juventude e como ela segue sua vida quando nada sai como o planejado

O livro tem apenas 37 páginas e a carga emocional é imensa! Logo de início tem alguns trechos que me impactaram e me fizeram devorar a obra. Sim, eu li em menos de uma hora, isso pode ser algo ruim para você, porém quero ressaltar o quão maravilhosa foi essa experiência. Com uma narração em primeira pessoa, vi a Melissa como minha amiga, aquela pessoa que encontrei em um café e vou bater papo.

Uma história de vida triste e real. Totalmente possível. Um enredo tão verdadeiro que falo com sinceridade: faltam livros assim. Faltam aqueles tapas na cara que me fazem ter os pés no chão e que me fazem pensar: não é só você que sofreu por amor, Alessandra!


O fato de você deixar essa dor definir quem você é ou simplesmente se acomodar é o problema. Melissa demora para a acordar, ela precisa passar por algumas determinadas situações para voltar a ser quem era, ou pelo menos tentar.

Outro ponto que eu gostei muito foi a maneira como a autora nos apresentou toda a história, a forma gradual e objetiva fez o conto ser uma experiência de leitura ótima. Dava para ser um livro? Sim, dava, até porque eu amo protagonistas mais velhas, mas não é necessário. "Não é mais Verão" veio e cumpriu seu papel de ajudar àqueles  que passam por situações parecidas e também para deixar registrado que você precisa se valorizar, você precisa saber o momento de levantar a cabeça e seguir em frente. Por você, não pelos outros.

Obrigada a Leila pela oportunidade e como sempre, eu elogio seu trabalho pela forma honesta e real com que suas obras são criadas. Conte sempre comigo para levantar a bandeira dos livros nacionais e verdadeiros.



E vocês aí que ainda não conhecem esse trabalho maravilhoso da autora, corram para a Amazon, vou deixar o link AQUI para não terem desculpas. Ah, e não se esqueçam de me contar nos comentários o que acharam da dica de hoje.

Minha Classificação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ (5/5)

- Alessandra Salvia

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Resenha: O Sol Também é uma Estrela

Olá amores!


Hoje, a dica é de um livro que chegou ao primeiro lugar na lista do New York Times e que a Editora Arqueiro trouxe para o Brasil, "O Sol também é uma Estrela" da autora jamaicana Nicola Yoon (talvez vocês a conheçam do livro "Tudo e Todas as Coisas").



A história de Natasha, uma garota jamaicana que vive nos EUA e está prestes a ser deportada se cruza com a de Daniel, um coreano/americano que precisa enfrentar os pais e decidir seu futuro.

A abordagem do livro é diferente de tudo que eu li. Os capítulos são curtos e narrados por personagens diferentes, porém há algo nele que foge do convencional. Talvez seja as explicações, os paralelos que a autora faz, porque além de conhecermos Natasha e Daniel, conhecemos um pouco sobre quem cruza o caminho de ambos nessa jornada de 12 horas. Pois é, o livro todo acontece em poucas horas, afinal, Natasha está prestes a ser deportada e ela precisa correr contra o tempo para fazer com que a família permaneça nos Estados Unidos.



O fato de tudo acontecer em um dia me deixa com um pé atrás, confesso. Gosto de histórias com uma crescente e uma conclusão definida. Mas isso não é algo que atrapalhe, é a proposta do livro e ponto. Você precisa abraçar a ideia e se entregar para a história.

Foi uma leitura bem intensa pela quantidade de pensamentos que surgem. Existem váááárias discussões importantes e inteligentes no meio de toda uma trama doce e triste. O fato de Natasha não acreditar no amor e Daniel ser aquele tipo sonhador e entregue aos sentimentos faz o relacionamento ser marcado por discussões e provas do quanto o amor pode ser um fator decisivo na vida de alguém.

Os personagens são únicos. Dificilmente você conseguirá compará-los a alguém. Gosto da maneira sincera com que são construídos. A autora me surpreendeu muito com a complexidade da obra, mesmo com uma escrita super simples e explicativa



Sendo um YA contemporâneo, acredito que as temáticas abordadas foram muito válidas. A questão da imigração pode ser mais recorrente nos EUA, porém temos alguns outros assuntos discutidos que faz parte do cotidiano mundial: o amor, a família e a aceitação pessoal. 

"O Sol também é uma estrela" é uma leitura super recomendada e que fará a diferença para o leitor. Um enredo emocionante que conversa diretamente com os corações jovens.

Minha Classificação: ♥ ♥ ♥ ♥ (4/5)

- Alessandra Salvia