terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Cinema: When We First Met

Olá amores!


Esse filme não está nos cinemas e sim no catálogo da Netflix, porém eu não posso ignorá-lo já que é uma comédia romântica extremamente gostosinha e que me deixou encantada!!! "When We First Met" ou como é conhecido aqui no Brasil, "Quando nos Conhecemos" estreou há poucos dias e vem conquistando quem o assiste.




A obra conta a história de Noah, um músico divertido e brincalhão que é apaixonado pela melhor amiga, a Avery. Porém, após 3 anos de amizade, Avery fica noiva do perfeito Ethan. Pois é... O mundo parece desabar. E é nesse momento de desespero alcoólico que Noah volta no tempo para tentar consertar as coisas e se tornar o par ideal da garota.


O filme é aquela clássica comédia romântica, não dá para falar que me surpreendeu, porque eu adivinhei o final logo de cara, mas é divertido, um ótimo passatempo e para quem gosta do gênero: é lindinho

Tem aquela mensagem final positiva: valorize o que você tem e acima de tudo, deixe as coisas acontecerem. Cada volta no tempo de Noah, é uma sucessão de erros e risadas, em alguns momentos se torna até cansativo, porque eu queria gritar: SEJA VOCÊ MESMO, NOAH SEU BURRO! Mas as atuações foram tão boas que consegui levar o filme tranquilamente, rs.

Ééééé, atuações!!! Esse elenco foi bem escolhido. Não tem grandes dramas, então não posso dizer que foi difícil fazê-lo, mas Alexandra Daddario (a Annabeth de Percy Jackson), Adam DeVine (de A Escolha Perfeita), Shelley Henning (eu adooooro essa atriz, se você não conhece, é a Malia de Teen Wolf) e Robbie Amell (primo do Stephen Ameel de Arrow) tiveram uma química perfeita. As últimas voltas no tempo são as cenas que todos interagem, são as melhores.


Foi um filme que me deixou feliz e eu queria trazer isso para vocês. É uma ótima opção se você está jogado no sofá naquele fim de domingo chuvoso, sabe? Ou até mesmo ensolarado, porque ele te lembra que: "tudo termina bem, se não está bem é porque não acabou". 😁

Às vezes, temos que assistir filmes leves e com mensagens assim para valorizarmos mais a vida. Não adianta ser metido a intelectual, assistir só filmes inteligentes. Precisamos relaxar e lembrar que o melhor da vida são aqueles pequenos momentos com quem amamos. Assistam e sorriam!

- Alessandra Salvia

domingo, 18 de fevereiro de 2018

Livro: Minha Vida Não Tão Perfeita

Olá amores,

Antigamente, na minha fase de adolescente, eu era uma devoradora de chick-lits. Porém, chegou um momento que eles não me divertiam mais, eu precisava de uma história com mais drama e personalidade. Então, parei por alguns anos e hoje, marco minha volta a esse gênero com "Minha Vida Não Tão Perfeita" da Sophie Kinsella, publicado pela Editora Record


O livro nos conta a história de Katie, uma moça que facilmente iremos nos identificar. Ela já é formada, mas ainda não tem aquela vida perfeita que idealizou. O emprego é mega longe de casa, o salário mal dá para pagar o aluguel e as pessoas nem sempre são tão amigáveis. Katie luta para se adequar em Londres e em contra partida, sua chefe é seu oposto. Demeter Farlowe é rica, tem a casa e família impecáveis, um emprego de prestígio e ótimos contatos. Katie queria ser Demeter. Por isso, ela faz um instagram com o melhor da vida. Fotos falsas e idealizadas como uma forma de mostrar aos outros que ela também pode ser alguém 'melhor' na vida.


Após perder o emprego, Katie fica sem saída e volta para o interior na casa do pai. Lá, ela o ajudará a montar um camping de luxo até que aquela pessoa menos improvável aparecerá para um estada totalmente diferente do que era esperado. 

De início, confesso que a leitura foi complicada. Eu não conseguia me apegar a Katie, a achava um pouco tediosa e reclamona, rs. Talvez um problema de narração? Acho que sim, porque Sophie Kinsella adora enrolar, tem vários parágrafos que (para mim) são desnecessários, eu queria saber mais da história, não das reflexões sobre o quanto a vida de Demeter parecia perfeita. Mas calma meus amigos, eu descobri que isso era por um bom motivo. Porque quando a história avança, percebi o quanto tudo aquilo podia ser verdadeiro.

O livro me fez fazer um grande paralelo a minha vida e minhas redes sociais. E acho que muita gente deveria ler sim. O fato de cada um demonstrar o melhor de si online, não significa que ele é o único lado existente. Katie teve que viver essa diferença para entender que cada um, é cada um. Nem sempre a verdade é o que as pessoas te mostram, até porque (me desculpem): você não é ninguém para julgar ou opinar sobre a vida alheia. 


Outro ponto importante é que o livro te ajuda a valorizar aquilo que você tem. Achei incrível os diálogos de Alex e Katie por serem honestos. Quem nunca quis ser outra pessoa por pelo menos um determinado momento? "Ah, eu queria estar viajando", "Ah, eu queria estar nesse restaurante", "Ah, eu queria esse celular"... Muitas vezes, esquecemos de ver onde estamos, com quem estamos para idealizar algo que nem sempre é o melhor. 

Demeter é a personagem que nos dá esse choque. E o mais engraçado é que ela foi a personagem que mais nos surpreende. Katie amadurece, mas Demeter cresce. Ela se torna a minha personagem favorita e te desafio a não gostar dela. 

O livro é divertido? É sim, mas não é por isso que eu indico a vocês. É pela forma como tudo se constrói e te faz pensar. Tem um romance aguinha com açúcar, cenas exageradas e clichês, não tem como negar. Mas ok, o livro vale pela mensagem.


Não acho que o chick lit seja um gênero recorrente para mim. É difícil sofrer com a Sophie Kinsella e vocês sabem que eu busco lágrimas nas obras, né? HAHAHAHA.

Deixem nos comentários o que vocês acharam e se ficaram animados com "Minha Vida não tão Perfeita".

Minha Classificação: ♥ ♥ ♥ ♥ (4/5) - Muito bom!

- Alessandra Salvia

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Livro: Fenomenal

Olá amores!

Como vocês estão? Hoje, vamos iniciar as resenhas dos livros da parceria com a Andy Collins? O primeiro livro da série Willers Family é o 'Fenomenal' que você pode encontrar lá no site da Amazon, só clicar AQUI.


A história é sobre Oliver, um lutador de box que se sente atraído por Bree, uma professora de ioga com grandes/imensos problemas financeiros. A princípio fiquei um pouco chocada com a rapidez que tudo ocorre, mas ao analisarmos a personalidade de Oliver percebemos que ele não é o tipo de pessoa que lida bem com recusas e Bree precisa do dinheiro oferecido pelo lutador. Pois é... O sexo acontece por dinheiro e isso me deixou bem receosa com o rumo da história, porém conforme as coisas avançam (e digo isso em relação a sentimentos), comecei a ver a complexidade do drama em que Bree se encontra.


Gostaria que esse drama fosse mais explorado e é por isso que o livro não ganha mais estrelinhas. Eu gostaria de ter me emocionado e sofrido com os personagens, até porque as problemáticas e justificativas para as mesmas são bem escolhidas e posicionadas na obra. Talvez, se tivesse um capítulo a mais de 'sofrência', eu teria amaaaaado! Tudo foi tão rápido... Lógico, o final foi lindo demais, fiquei com aquele sorriso bobo no rosto, rs. 

Outra coisa que me agradou demais foi a personagem de Bree. Ela não espera ser salva. Ela não se coloca em uma posição de vítima. Faz o que precisa ser feito, mesmo que isso vá contra alguma posição ética. Oliver me irritou algumas vezes e não sei se eu tenho tanta paciência para ele, talvez com Jason, seu irmão as coisas sejam diferentes, rs.

Digo isso, porque o próximo volume, o chamado "Colateral" vem aí!!! Já comecei a ler e posso adiantar que estou um pouco mais apaixonada. Jason já aparece no livro de Oliver com aquele terno e olhar penetrante... Imaginei que ele tinha potencial, rs. 


Posso dizer que "Fenomenal" é aquele verdadeiro romance erótico. Um sentimento arrebatador, cenas quentes e bem construídas. Personagens impulsivos que roubam nosso coração. A escrita da Andy Collins é muito boa, torna tudo visível, sem enrolação, a obra é bem curta.

Espero que vocês fiquem animados com essa dica de hoje, nossa literatura nacional tem muito potencial e precisamos valorizá-la. Já conhecia a obra e a autora? Deixe seu comentário!

Minha Classificação: ♥ ♥ ♥ (3/5) - É bom, mas queria mais desenvolvimento!

- Alessandra Salvia

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Livro: A Pequena Livraria de Corações Solitários

Olá amores,

"A Pequena Livraria de Corações Solitários" da autora Annie Darling chamou minha atenção pela capa toda fofa e romântica. Publicada pela Verus Editora, a obra tinha tudo para ser um dos meus livros favoritos, mas nem tudo foram flores... 


A história se inicia após a morte de Lavínia, a proprietária de uma pequena e falida livraria, chamada Bookends. Quem herda a loja é Posy, uma funcionária amante de livros românticos. Para reerguer o negócio, Posy precisa da ajuda de Sebastian, o neto de Lavínia e também considerado o homem mais grosso de Londres. 

E é nesse contexto que muita confusão acontece. Afinal, Posy é uma protagonista muito fraca e irritante. Ela não confia em si mesma e em diversos momentos declara o quanto a arrogância de Sebastian a impulsiona. É... Sebastian realmente é o homem mais grosso de Londres, ou melhor dizendo, de todo o mundo. Pensa em um protagonista chato, antipático e que se acha superior a todo momento. Juro que tentei pensar nele como um Sr. Darcy de Orgulho e Preconceito, achando que tudo iria melhorar após ele tomar consciência de seu amor por Posy, mas não. Quando eles se 'ajeitam' é ainda pior, algumas frases que ele diz me deram ainda mais vontade de lhe dar uns tapas.


Posy tem seus problemas, mas não merece alguém como Sebastian. O enredo é um chick-lit raso e sem grandes acontecimentos. O que me fez gostar da história foi a paixão de Posy por livros românticos e como ela os defende. Há uma grande explicação sobre ficção romântica e diversas referências ao mundo real, o que me inseriu facilmente na história. O lado preconceituoso de Sebastian em relação a esse tipo de literatura foi bem vindo, pois quem lê livros de amorzinho sabe que esse tipo de atitude hostil é comum. 

Confesso que gostaria que a livraria "Felizes Para Sempre" realmente existisse. Achei incrível a ideia de Posy e como ela a executou. As descrições são bem visuais e me fizeram realmente criar aquele ambiente no imaginário. Tudo muito lindo e desejável, rs.


"A Pequena Livraria dos Corações Solitários" não teve nenhuma cena memorável ou instigante. Posy tem a dor da perda dos pais pouco explorada, em apenas alguns parágrafos toda a complexidade do acidente deles é explicada e seu relacionamento com o irmão resolvido. Enquanto Sebastian consegue minimizar qualquer tipo de problemática com uma frase. Aliás, muito mal explicado a resolução do que aconteceu com Piers na reta final do livro.

A obra faz parte de uma série, esse é o volume 1 e o próximo a ser lançado será o "True Love at the Lonely Hearts Bookshop" (Verdadeiro Amor na Livraria de Corações Solitários) com o foco em Verity, a amiga e funcionária da livraria. Infelizmente, acho que não vou ler as continuações. Verity e Nina são minhas personagens favoritas da história, mas não consigo ter boas esperanças. A narrativa é ótima, a autora escreve muito bem, mas o conteúdo é um problema.


Sendo assim, termino aqui minha resenha de uma forma não muito convencional. O livro é decepcionante, mas espero não ter desanimado totalmente vocês, vale a pena dar uma chance se você for fã de livros chick-lit beeeem aguinha com açúcar. Ah, e claro, lembre-se de me contar o que achou da obra ou até mesmo se faz ou não seu estilo.

Minha Classificação: ♥ ♥ (2/5) - Regular

- Alessandra Salvia

domingo, 11 de fevereiro de 2018

Cinema: 50 Tons de Liberdade

Olá amores!


Vocês já devem estar cansados de ler sobre '50 Tons' ou até mesmo tem aquele pré-conceito em relação a essa história, certo? Claro, há muito sexo e cenas "fortes", mas estou aqui para falar um pouco sobre a adaptação que acabou de ser lançada no cinema e um pouco sobre a minha opinião sobre a história em si.


Para quem não sabe (o que é bem difícil, rs), a saga '50 Tons' possui 3 livros escritos por E. L. James e foi adaptada para o cinema em 3 filmes também. O enredo é sobre uma garota normal, sem sal que conquista o coração de um multi-milionário com um gosto excêntrico para os momentos íntimos. E é exatamente esse 'gosto excêntrico' que gera a polêmica, pois muitos podem considerar as práticas masoquistas/dominantes de abuso e violência.


Primeiramente, algo que eu preciso dizer sobre todo esse assunto é: há consentimento. Cada um tem a liberdade de fazer o que quiser da vida. Anastácia aceitou tudo, mesmo sabendo dos riscos (e vale ressaltar a palavra de segurança é usada). Existe uma super-proteção por parte dele? Sim, existe. Eu gostaria de algo assim? Não. Algumas atitudes podem ser vistas como exageradas, mas também consigo enxergar um forte medo em relação a perda. Christian tem um passado traumático e esse excesso de zelo vem a tona quando ele se entrega ao amor.

Ah, e tem outra coisa que preciso deixar claro: não é porque eu li a série que eu concordo e quero um relacionamento desses. '50 Tons' marcou uma geração por mostrar ao mundo masculino que mulheres podem sim ter uma sexualidade aflorada. Essa história desmistificou um mundo considerado obscuro e errado. O livro pode não ser excelente, a narrativa pode ser fraca, os personagens podem não te agradar, eu consigo entender tudo isso, mas quero que você também entenda que um livro pode sim abrir os olhos de toda uma população sobre um tema tabu. Ok?

E vou te falar que devemos agradecer a '50 Tons', pois MUITAS mulheres iniciaram a leitura com ele. Eu considero isso um grande avanço! Há alguns anos atrás, donas de casa, mães de família, ou até mesmo mulheres executivas diziam não ter tempo para a leitura e foi com esse gênero que elas abriram os olhos para todo um leque de opções.


Agora, voltando... Vamos falar de "50 Tons de Liberdade"? O filme que estreou nos cinemas essa semana e veio dar um fim a história de amor de Anastacia e Christian Grey foi um pouco além das minhas expectativas. Algo muito bom, porque eu esperava um filme mais fraco e ruim. Mas não! O sentimento cresceu e se consolidou. Nesse filme, vemos um Christian mais humano e apaixonado. O fato dele estar disposto a mudar toda sua vida em função da Ana, me mostrou que o amor pode sim ser recíproco, por mais que ele queira ser o dominante. 

Ana está confiante e disposta a tomar decisões. Vejo a atriz Dakota um pouco mais confortável no papel, mas está longe de ser boa... Desculpe, mas ela não convence. Nas cenas mais dramáticas e de violência, não consigo sofrer com ela. Bom, existe uma cena específica que ela joga tudo na cara do Grey e se prioriza, aquilo me deixou muuuuito feliz, rs. Acho que a personagem é boazinha demais, ela tinha que pegar firme com o Christian (que consegue me irritar algumas vezes com sua burrice e personalidade fraca). Há algumas cenas do trailer que não constam no filme e considero isso uma falha de produção. 


Algo que preciso salientar é a excelente trilha sonora. Nossa!!! Que envolvente!!! As cenas de sexo estão mais intensas e o amor entre o casal está emocionante. Na reta final, há uma pequena retrospectiva da saga com a música tema "Love Me Like You Do" da Ellie Goulding que vou ter que confessar, enxeram meus olhos de lágrimas. É... Eu sou uma banana, rs. E o vestido de noiva??? AAAA, coisa linda!


Além da péssima atuação da Dakota, algo que me fez tirar uma estrela da avaliação final é o fato de não terem explorado o drama em si. Rita Ora estava muito bem como a divertida Mia e poderiam ter dado mais espaço a ela no final do filme. E mesmo em relação ao Jack, vamos fazer parecer mais difícil, produção? Tudo é tão fácil quando se tem dinheiro. 😒

Tivemos também a inclusão de novos personagens e se me permitem uma observação: nossas séries adolescentes estão vivas! rs. Temos atores de Pretty Little Liars, Teen Wolf e The Vampire Diaries no elenco. Se você assiste a alguma delas, é impossível ignorar nosso Noel Kahn, Derek Hale e Lexi Branson.


Antes de finalizar, queria perguntar uma coisa... Só eu tive a impressão que os atores não queriam fazer essa saga? Eles nunca parecem realmente felizes na divulgação ou até mesmo em pré-estreias. O Jamie Dornan, principalmente. Mas sei lá... Entendo que mesmo com uns milhões a mais na conta é muita exposição e eu não teria essa coragem nem que me pagassem o triplo!!!


E é isso, rs. Espero que eu não tenha te entediado com tanto blá-blá-blá, porém achei necessário expor minha opinião e desmistificar um pouco toda essa polêmica de 50 Tons. Se você não gosta, é só não ler nem assistir, se alguém ao seu lado gosta/lê, deixe a pessoa em paz e a incentive a ler cada vez mais.

Minha Classificação: ♥ ♥ ♥ ♥ (4/5) - Troca a Dakotaaaaaa! rs

- Alessandra Salvia

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Parcerias 2018

Olá meus amores!

O ano de 2018 começou oficialmente e as novidades do blog "Estante da Ale" já começaram com força total. Algumas parcerias renovadas e outras conquistadas, bora ver o que vem por aí?


Renovações

Mari Scotti


A parceria com a Mari Scotti foi firmada no ano passado e para minha felicidade a renovação aconteceu! Sou apaixonada pelos romances de época que a Mari escreve, mas acredito que esse ano o foco esteja em "O Cobiçado 2", a continuação do livro que já teve resenha aqui no blog (AQUI) e fez meu coração acelerar com o sexy roqueiro em busca de um amor verdadeiro. Em breve, mais novidades e acompanhem o Instagram do blog, pois faremos uma semana especial totalmente dedicada a esse lançamento.

Amanda Ághata Costa


Só de lembrar de "Nunca Olhe Para Dentro", eu já estou suspirando... Ai Ai Ai... Um dos melhores livros lidos no ano de 2017 e que super merece uma casa editorial. Nesse ano, nosso foco será espalhar a minha querida e colorida Betina por esse 'Brasilzão'. Se você ainda não conhece, basta clicar AQUI para se apaixonar.

Nohane Carvalho


Essa autora, eu tenho o prazer de chamar de amiga. Um doce de pessoa, extremamente talentosa e inspiradora. Aquela que faz a gente acreditar em si mesma e nos nossos sonhos, sabe? Aquela que sempre tem uma palavra que funciona como abraço. Os livros dela são excelentes e a forma com que ela escreve envolve e emociona. Em 2018 teremos muitas novidades e espero que eu consiga convencê-la a fazer vários especiais aqui no blog, quem quer? \o/ 

Lari Azevedo


Meus amores, sabe aquela coisa de empatia? Quando o santo bate? Quando você sabe que é para ser? Foi assim que conheci a Lari, eu já tinha lido uma obra dela, mas não sabia que iria admirar tanto a pessoa por trás daquela história emocionante. Engraçado que mesmo sem nos conhecermos, tínhamos algo em comum e que talvez vocês saibam em breve do que estou falando... Mas o contato cresceu e Lari tornou-se uma querida amiga e fui convidada a ser leitora beta, então imagina minha responsabilidade? Só sei que vou chorar horrores com o que vem por aí e espero que vocês me acompanhem nessa jornada cheia de amor. 

Cinthia Freire


Nossa, eu não sei há tempo eu mantenho a parceria com a Cinthia. Eu já a conheci pessoalmente, tenho um carinho enorme por ela e te digo: o que essa mulher faz nos livros é impressionante. Em 2018, teremos algumas novidades, mas ela já publicou um conto novíssimo nesse início de ano e que me deixou empolgadíssima para mais. Se você gosta de livros emocionantes e apaixonantes, aposte nessa autora linda! 



Parcerias Novas

Andy Collins


A minha linda amiga Luana (do blog Duas Mentes Literárias) me indicou e eu não pude conter a ansiedade. Pelo que percebi, a Andy é uma máquina de escrever ambulante e teremos MUITOS romances dela por aqui esse ano. Já adianto que comecei a ler o primeiro e muita polêmica vem por aí, rs.

Caty Coelho


Outra parceria nacional firmada que me deixa muito feliz! A Caty também escreve romances (meu gênero favorito), então nem preciso dizer o quanto estou ansiosa, né? As capas dos seus livros são maravilhosas e a sinopse então... Tomara que esse ano seja o início de uma longe e proveitosa parceria!


AAAAAA, vocês viram quantas autoras lindas teremos aqui em 2018? Lembrando que a temporada de inscrições não acabou e estou bem otimista com alguns resultados. Bora torcer e mandar energias positivas? 

O fato dos autores nacionais estarem acreditando na integridade e na originalidade do blog "Estante da Ale" é algo bem significativo para mim. Agradeço de todo meu coração e posso dizer que não vou decepcioná-los. 

Ah, e lembrando... Se você quiser também uma parceria mande seu e-mail para: lekasalvia@gmail.com e para saber sobre as regras de parceria, só clicar na aba lá em cima que tem toda a política para esse tipo de relacionamento.

Beijos e muito amor para todos em 2018

- Alessandra Salvia

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

Série: Greenhouse Academy

Olá amores,

Acho que vocês já sabem que eu tenho uma paixão por séries ruins adolescentes, né? Quando eu vi o poster de "Greenhouse Academy" na Netflix, eu não pude ignorar e lá vem a crítica da season 1 que possui 12 episódios já disponíveis, sendo cada um com menos de 30 minutos.


Alex e Hayley são gêmeos que após a morte da mãe astronauta, decidem honrar sua memória indo para o mesmo colégio interno em que ela estudou. E lá onde a história se desenvolve. São criados dois grupos que sempre duelam entre si, mas esses duelos são acadêmicos. A tecnologia e inteligência são aspectos importantes da história.

Você até pode pensar: mas só isso acontece? Bom, eu não quero dar spoilers, mas adianto que essa história do acidente espacial possui muitos mistérios que precisam ser desvendados. 


Meio futurista, a série "Greenhouse Academy" já teve outras versões antes da Netflix decidir adaptá-la. Essa season 1 é bem aguinha com açúcar, sem grandes impactos, mas com um último capítulo promissor. Vale dizer que é uma série juvenil, ou seja, não adianta você falar mal porque esperava algo mais marcante, essa é a proposta e esses primeiros episódios foram úteis para nos apresentar o vasto elenco e deixar claro as relações entre cada um.

O elenco é ruim, não adianta defender. Acho que a melhor é a Jéssica Amlee que já fez Heartland e agora é a Jackie, uma garota mal humorada, mas que agrada pelo seu posicionamento no grupo. 

Algo que eu gostei muito é o fato da série exaltar a inteligência, tem muita série jovem que só foca no romance e nos dramas secundários. Essa não. Os alunos são incentivados a pensar. Claro, há aquele amorzinho que nos conquista... Estou cheia de shipps nessa série e já estou torcendo pela season 2 par tudo se resolver loooogo!


Prometendo um aprofundamento, "Greenhouse Academy" tem muito potencial. Não assista querendo algo surpreendente e adulto, é aquele tipo de história para relaxar e se apegar, porque por mais que tenha algumas coisas infantis, ela te prende e você devora cada episódio, HAHAHA.

E você? Já assistiu? Gosta de séries assim?

Minha Classificação: ♥ ♥ ♥ ♥ (4/5) - Muito gostosinha de ver!

- Alessandra Salvia