sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Série: O Mundo Sombrio de Sabrina

Olá amores,


Como já havia conversado com vocês, minha experiência com a nova série da Netflix, a chamada "O Mundo Sombrio de Sabrina" foi muito positiva e venho explicar os motivos disso com a crítica completa da temporada 1 que já está completamente disponível no serviço de streaming.


De início, para alguns pode surgir o estranhamento, afinal, essa série é um remake da "Sabrina, a aprendiz de feiticeira" que existia lá nos anos 90 só que a proposta foi renovada e com isso, um mundo mais dark nos é apresentado. Sabrina continua uma bruxa que mora com as tias Hilda e Zelda e tem um gatinho preto chamado Salem, mas suas preocupações são muito mais atuais e relevantes para a sociedade atual.

Com 10 capítulos sendo cada um com cerca de 1 hora de duração, vemos uma Sabrina adolescente que busca a liberdade e o poder. Sim, os dois juntos. Algo impossível para os feiticeiros que assinam o livro do diabo. E só por essa sinopse percebemos o quanto a história se torna sombria e mais rica em elementos do ocultismo.


Acho que a grande diferença dessa série para a antiga é que o mundo das bruxas é transcrito para nossa realidade. Lá atrás, tínhamos um gato que falava, magia acontecendo para todos os lados com um balançar de dedos e aqui não. Parece mais uma religião diferenciada. Sabrina faz conjurações e pequenos feitiços, mas nada muito declarado, ela vive como uma garota normal e não utiliza do fato de ser bruxa para facilitar a sua vida, coisa que a antiga Sabrina fazia direto. E para mim, esse grande detalhe não é um problema. Assim como o Salem não falar, não me atrapalha em nada. Até porque o Salem é um grande personagem na série (nos primeiros episódios pelo menos, ele mostra relevância, depois é um pouco esquecido). 

Agora, se você ficar fazendo esses paralelos o tempo todo, talvez "O Mundo Sombrio de Sabrina" não funcione com você. Pense nisso como uma história totalmente independente e verá que o roteiro e os personagens tem seu brilho próprio. Posso pontuar em quais episódios fiquei entediada: foram 2 e logo no começo da série, porque depois o ritmo se encontra e você entende facilmente os plots de cada personagem. E parando para analisar, um dos episódios que me deixou entediada foi o do demônio do sono, mas foi esse o episódio que ajudou a desenhar as personalidades de Tia Hilda, Zelda e do primo Ambrose. Ou seja, nem de todo perdido foi. Acho que a série soube balancear suas histórias e trouxe uma relevância com um discurso feminista, diversificado e respeitoso.


O personagem Harvey ainda existe, mas foi acrescido mais duas melhores amigas para Sabrina, Rosalind e Susie. Garotas com potencial de desenvolvimento e que mostraram a sororidade tão necessária nos dias de hoje. E falando em personagens novos, destaque a Prudence, uma bruxa que de início aparece como maléfica e que pode ser um grande problema para a protagonista, mas que no decorrer dos episódios se mostra alguém mais justa. Ela ainda é imprevisível e não sabemos se a amizade dela com Sabrina permanece, afinal, depois de tudo o que aconteceu com a Aghata, não sabemos o que o futuro reserva as garotas.


Um ponto que preciso falar que me incomodou, foi o plano de fundo meio embaçado, às vezes. Não sei se é coisa da minha Netflix, mas a fotografia mais anos 90 estava tão bonita, não tinha motivo para borrar algumas coisas. Fora isso, acho que a produção não deixou a desejar, houveram alguns sustos, mas nada que me impedisse de continuar, mesmo eu sendo uma medrosa assumida.

A menção ao diabo ou a demônios existe e a presença deles também. Meio fraco a caracterização? Talvez sim. Só que, para mim, isso é extremamente positivo pois me fez continuar a ver a série. Não fiquei impactada, sabe? Não foi difícil assistir como algumas séries da temática são.

E além dessas ameaças, temos a professora da escola e o padre que tentam a todo custo trazer Sabrina para o lado sombrio. Achei muito interessante a construção de ambos, pois muitas vezes, não sabemos qual a intenção deles, principalmente, por estarem do mesmo lado mas não trabalhando juntos. Interessante, né? O episódio final tem um arco muito interessante e o desfecho deixa várias pontas abertas para continuações.



Agora, em relação aos crossovers com Riverdale, algumas coisas já começaram a aparecer. Um personagem apareceu e menções a cidade ocorrem, nada muito declarado ou significativo, mas é um começo. Vamos aguardar para ver o rumo que as séries tomam. 

Desta forma, eu super indico "O Mundo Sombrio de Sabrina" para vocês. Fui realmente surpreendida, não esperava uma série que desse para maratonar e nem com personagens icônicos como esses. Alguns diálogos foram bem marcantes e que geraram reflexão. Espero que gostem da dica tanto quanto eu!

Minha Classificação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ (4/5) - Muito bom!

- Alessandra Salvia

16 comentários:

  1. Oiiiii,
    Eu assisti essa “nova” Sabrina e confesso que no começo achei que seria igual, que seguiria os passos da antiga série, mas me surpreendi.
    Gostei muito e estou ansiosa pela segunda temporada, tomara que seja renovada.
    Obrigada!
    Bjos
    Mamaci

    ResponderExcluir
  2. Amei sua resenha porque eu queria muito conhecer melhor essa série, mas eu acho que eu prefiro a versão antiga porque era mais leve e divertida. Hahahahaha
    Mil Beijos!
    https://pensamentosdeumageminiana.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Oie
    Eu assisti o primeiro episódio e estranhei muito. Acho que prefiro o antigo.

    Beijinhos
    https://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De início, eu também. Mas depois entrei no clima e aproveitei, rs.

      Excluir
  4. Oi Alê. Eu acho que meu problema nem é com a série antiga, na verdade, acho que séries adolescentes não me encantam mais, ou seja, o problema é comigo mesmo. Mas os poucos episódio que vi achei a protagonista ótima e uma baita produção, sombria e perfeita com a proposta da série!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  5. Olá, Ale.
    Gostei bastante da sua análise da série. Eu não assisti a original, por isso não tenho com o que comparar, mas vi bastante gente reclamando porque o gato não fala hehe. Fico receosa de assistir por causa dessa coisa de demônios que não gosto, mas vou assistir um episódio e ver se continuo.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Arrisca, eu também não gosto, mas me evolvi e valeu a pena, Sil!

      Excluir
  6. Estou louca para assistir, e particularmente gostei muito da série ter seguido para um caminho mais sombrio!

    www.estante450.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Oi Ale, tudo bem?
    Só faltou o selinho do Uma Amiga Indicou! :'( hahahaha!
    Eu me diverti muito assistindo a essa série e achei as referências a Satã muito engraçadas. Especialmente quando vinham da tia Zelda hahaha! Contudo, minha maior crítica é o tamanho dos episódios... muitas vezes achei longos demais. :(
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou colocar! Nem pensei nisso pq já tinha na outra postagem sobre a série hahahaha

      Excluir
  8. Oie, td bem?
    AI ALE EU TO MORRENDO DE VONTADE DE VER AAAAAAA HAHAHAHA
    Adorei a resenha e quando for assistir, tenho que colocar isso na cabeça sabe? Não posso ficar comparando senão não vou conseguir ver hahahaha, mas eu adoro esse jeito mais dark que colocaram... Fora que ser algo mais atual é ótimo também!
    Quanto ao fundo embaçado, será que não era pra dar um ar fantasioso, igual Riverdale? Pode ser né... Mas eu vou assistir, com certeza!
    Amei!
    beijos
    www.somosvisiveiseinfinitos.com.br

    ResponderExcluir